Tempo
|
A+ / A-

​Sindicato dos Estivadores ameaça parar Porto de Setúbal

22 nov, 2018 - 11:46

PSP chegou a remover, um por um, os trabalhadores em protesto que tentaram bloquear a passagem de um autocarro com um grupo de outros trabalhadores que iam carregar um navio com viaturas da Autoeuropa.

A+ / A-
“Daqui para a frente a ministra vai saber o que é uma greve”, diz presidente do sindicato dos estivadores
“Daqui para a frente a ministra vai saber o que é uma greve”, diz presidente do sindicato dos estivadores

O Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística ameaça avançar para uma greve no Porto de Setúbal. A hipótese foi avançada esta quinta-feira de manhã pelo presidente do sindicato.

“Nós ainda não estamos em greve, estamos em greve ao trabalho suplementar. Daqui para a frente a senhora ministra vai saber o que é uma greve”, disse à Renascença António Mariano.

Os trabalhadores eventuais daquele porto agendaram para esta quinta-feira uma concentração de protesto contra a situação laboral precária em que se encontram.

“Devem ter um contrato digno com condições para terem família, para viverem dignamente. É isso que está em causa, é isso que está na base da revolta deles”, defendeu Mariano.

O protesto registou momentos de tensão e a PSP chegou a remover, um por um, os trabalhadores em protesto que tentaram bloquear a passagem de um autocarro com um grupo de outros trabalhadores que iam carregar um navio com viaturas da Autoeuropa.

Uma das pessoas retirada pela PSP foi o deputado do PCP Bruno Dias que se juntou ao protesto em solidariedade com os trabalhadores. “Procurávamos saber se as autoridades do Estado tinham informação relativamente à entrada de elementos exteriores ao Porto de Setúbal que foram trazidos para substituir os estivadores em luta. E o que se confirma é que estava a ser preparada uma operação com o conhecimento das autoridades do Estado relativamente a esta substituição", explicou o deputado à Renascença.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    22 nov, 2018 Lisboa 15:53
    Nas próximas eleições, pensem melhor onde vão pôr a cruzinha. Hoje, venceu a Força Bruta. Amanhã em Eleições, são vocês e os outros enganados (professores, médicos, enfermeiros, etc) que decidem ...
  • Surreal
    22 nov, 2018 Setubal 14:41
    Allo, É do Bloco de Esquerda? Ah, não estão? Estão na sede do governo...? Está bem. Obrigado. Trimm Trimm. Alô, é do PCP? Não está? Ah, está com o Governo... Ok Obrigado - Surreal! Se isto acontecesse no tempo da Ditadura PSD-CDS-Cavaco Silva, a casa vinha abaixo com a berraria de PS, BE e PCP. Como o governo é PS, sustentado por BE e PCP...
  • manuel
    22 nov, 2018 lisboa 12:34
    Abandonaram o bloqueio com o rabinho entre as pernas. Pareciam uns caes cheios de medo
  • Filipe
    22 nov, 2018 évora 12:07
    Também deviam utilizar os mesmos meios humanos vestidos de forças capangas do Estado para fazer parar as greves dos enfermeiros que prejudicam a saúde humana e dos oficiais de justiça e juízes que prejudicam os direitos fundamentais da Constituição da República . Uma vez que utilizam estes métodos de forma parcial , toda a gente fica a saber que o Estado se mete de joelhos perante quem não consegue e tem medo de enfrentar , resta ao Estado dar todas as regalias aos parasitas de Portugal . uma vergonha Nacional , para a próxima levem os Comandos e Fuzileiros e metam os F16 a fazer patrulha . Grande vergonha esta Gerigonça formada de capangas contra os fracos e pobres , até parece que lhes dá prazer existirem certas e determinadas greves em determinados sectores , deve ser para provarem algo mais tarde , vergonhosos .