|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Portugal melhora pegada ecológica, mas ainda precisa de dois planetas para viver

30 out, 2018 - 07:40

A crise económica reduziu a pegada nacional, mas os portugueses continuam a consumir mais recursos do que aqueles que a natureza tem para oferecer. "Estamos em défice".

A+ / A-

A organização ambientalista WWF (World Wide Fund for Nature) coloca Portugal no 66.º lugar mundial em termos de pegada ecológica 'per capita', sete posições acima de 2016, mas aponta que o país ainda precisa de 2,19 planetas para “manter o atual estilo de vida”.

Os dados apresentados na edição deste ano do relatório Planeta Vivo referem-se a 2014, quando a pegada ecológica dos portugueses diminuiu, uma possível consequência da crise económica que atingiu o país nesses anos.

“Os portugueses continuam a precisar de dois planetas para viver, na linha com os europeus. De facto, nota-se uma pequena redução do consumo. Tem a ver com os anos de crise, onde os portugueses tiveram um consumo menor do que em anos anteriores”, disse à Renascença Ângela Morgado, diretora da Associação Natureza Portugal.

O relatório demonstra que a pegada dos portugueses foi sempre muito elevada comparativamente com a biocapacidade do país, que se tem mantido mais ou menos constante desde 1961.

O carbono, que nos dados referentes a 2014 representa 57% da pegada dos portugueses, e que em 2004 correspondia a 63% do valor total, foi a componente que mais decresceu, adianta o documento, que explica que “a isto está naturalmente associado ao consumo, mas também à alteração das fontes de produção de energia nacional, fruto da aposta nas energias renováveis”.

A mesma responsável alerta ainda para a necessidade de uma mudança no padrão de consumo dos portugueses, seja a nível alimentar, ou nível do consumo direto de recursos naturais. E deixa um desafio aos portugueses: "consumir com maior qualidade e em menor quantidade, seja que produtos forem”.

"Se consumirmos os recursos naturais ao limite do planeta, qualquer dia vamos ter uma crise ecológica que há-de ser pior do que uma crise económica”, adverte Ângela Morgado.

Ecossistemas em risco

A nível internacional, o relatório mostra um “quadro perturbador: a atividade humana está a empurrar os ecossistemas que sustentam a vida na Terra para um limite”.

O Índice Planeta Vivo, que acompanha as tendências de abundância global de vida selvagem, indica que as populações globais de peixes, aves, mamíferos, anfíbios e répteis diminuíram em média 60% entre 1970 e 2014.

O relatório destaca que “as principais ameaças às espécies estão diretamente ligadas às atividades humanas, incluindo perda e degradação de habitats e sobre exploração da vida selvagem”.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.