|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Partido de Santana Lopes “não é uma ameaça” para Cristas

23 ago, 2018 - 13:12

A líder do CDS entende que o aparecimento de um novo partido "pode ser positivo” se ajudar "este espaço a somar deputados".

A+ / A-

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, diz que o futuro partido de Pedro Santana Lopes “não é uma ameaça” ao CDS-PP, considerando, até, que o seu surgimento “pode ser positivo”.

“A estratégia do CDS-PP não muda, é sempre a mesma. Queremos ser uma alternativa às esquerdas encostadas. Para isso, precisamos de 116 deputados. Com certeza não chegamos lá sozinhos, todos aqueles que neste espaço puderem somar deputados, seja do PSD seja de outros partidos novos, acho que isso pode ser positivo”, afirmou Assunção Cristas.

Em declarações aos jornalistas, à margem de uma ação de boas práticas ambientais, na praia da Conceição, em Cascais, a líder centrista disse que não “vê como ameaça” a criação da Aliança, o futuro partido que o ex-primeiro-ministro Pedro Santana Lopes pretende fundar.

“Não vejo como uma ameaça. Todos os partidos de centro-direita são uma ameaça para António Costa e para as esquerdas encostadas. É assim que vejo as coisas e é para isso que estou a trabalhar. A minha preocupação é criar um espaço para que o CDS-PP tenha cada vez mais uma voz ativa e firme para fazer o seu trabalho diário”, declarou.

No sábado, ao semanário Expresso, o antigo militante do PSD, Santana Lopes, que concorreu este ano à liderança dos sociais-democratas, em eleições que perdeu com 46% dos votos para Rui Rio, disse que a Aliança quer "garantir representação política" para poder "participar no processo de decisão, seja no Governo seja na oposição".

O futuro partido assume-se como defensor do “liberalismo, que promove a liberdade económica e a iniciativa privada como motores principais de crescimento”.

“Não vejo como uma ameaça. Todos os partidos de centro-direita são uma ameaça para António Costa e para as esquerdas encostadas. É assim que vejo as coisas e é para isso que estou a trabalhar. A minha preocupação é criar um espaço para que o CDS-PP tenha cada vez mais uma voz ativa e firme para fazer o seu trabalho diário”, declarou.

No sábado, ao semanário Expresso, o antigo militante do PSD, Santana Lopes, que concorreu este ano à liderança dos sociais-democratas, em eleições que perdeu com 46% dos votos para Rui Rio, disse que a Aliança quer "garantir representação política" para poder "participar no processo de decisão, seja no Governo seja na oposição".

O futuro partido assume-se como defensor do “liberalismo, que promove a liberdade económica e a iniciativa privada como motores principais de crescimento”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Portugal
    23 ago, 2018 LEIRIA 19:26
    Não consigo ler quantos anos, meses e dias que estão do circulo azul.
  • fanã
    23 ago, 2018 aveiro 19:16
    Ainda bem que o ridículo não mata, senão já estaria morta !