|
A+ / A-

Serviço Jesuíta a Refugiados promove conferência sobre a Síria

30 jul, 2018 - 10:54 • Ecclesia

A conferência "Não esquecemos a Síria" conta com a presença do diretor do JRS Síria, padre Fouad Nakhla, e do padre Gonçalo Castro Fonseca, jesuíta português que está em missão nesse país desde outubro de 2017.

A+ / A-

O Serviço Jesuíta a Refugiados (JRS Portugal) promove, esta segunda-feira, a conferência "Não esquecemos a Síria", com testemunhos de quem está no terreno, a partir das 17h30, no Centro Universitário Padre António Vieira (CUPAV), em Lisboa.

Num comunicado enviado à agência Ecclesia, o JRS Portugal informa que pretende apresentar o trabalho que desenvolve na Síria e ouvir testemunhos de quem está no terreno a ajudar a população que vive uma guerra, desde março 2011, entre o regime do presidente Bashar al-Assad e a oposição.

Em abril deste ano, por exemplo, cerca de 13 milhões de pessoas precisavam de assistência humanitária; no país existiam 6,6 milhões de deslocados internos e 6,3 milhões de refugiados registados noutros países.

A conferência "Não esquecemos a Síria" conta com a presença do diretor do JRS Síria, padre Fouad Nakhla, e do padre Gonçalo Castro Fonseca, jesuíta português que está em missão nesse país desde outubro de 2017.

O diretor do JRS Portugal, André Costa Jorge, e a colaboradora síria Ghalia Taki também fazem parte do painel de oradores.

O JRS Portugal trabalha na Síria desde 2011, para responder a situações de emergência nas cidades de Damasco, Alepo e Homs em diversas áreas, como distribuição alimentar, assistência médica, atividades psicossociais, visitas domiciliárias.

Mais recentemente, oferece programas de educação não-formal para crianças que deixaram de ir à escola e, em 2016, no total, o JRS Síria “serviu e acompanhou cerca de 220 mil pessoas”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.