Tempo
|
A+ / A-

Professores em greve

"Circunstâncias extraordinárias" podem impedir contagem do tempo integral dos docentes

18 jun, 2018 - 14:05

Assim admitiu esta segunda-feira o líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão.

A+ / A-

O líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, desafiou esta segunda-feira o Governo a "pedir desculpa aos professores" caso entenda que existem "circunstâncias extraordinárias" que impeçam a contagem integral do tempo de serviço que esteve congelado.

Na sua intervenção na abertura das jornadas parlamentares do PSD, a decorrer hoje e amanhã na Guarda, Fernando Negrão acusou o Governo de ter começado por "enganar os professores assegurando uma contagem integral desse tempo", com o primeiro-ministro a anunciar depois que não há dinheiro para esse efeito.

"No caso dos professores, os factos são claros. Primeiro facto: o Governo prometeu e agora vem dizer que não pode cumprir. Segundo facto: o prometido é devido, ou como diz o primeiro-ministro António Costa, palavra dada, palavra honrada", afirmou Negrão.

Para o líder parlamentar do PSD, "só circunstâncias extraordinárias podem justificar que assim não seja".

Se for esse o caso, acrescentou, o Governo "devia, no mínimo, começar por reconhecer a sua continuada política de austeridade e pedir desculpa aos professores e com eles recomeçar de boa fé as negociações centradas no essencial, que é a revisão dos respetivos estatutos".

Os professores deram hoje início a uma segunda greve no espaço de um mês para exigirem a contagem total do tempo de serviço que lhes foi congelado. Os docentes querem que o Ministério da Educação reponha os 9 anos, quatro meses e dois dias de tempo de serviço que foram congelados desde 2005 e acusam o ministro da Educação de estar a dar o dito por não dito.

O ministro da tutela, Tiago Brandão Rodrigues, garante que nunca se comprometeu com a reposição do tempo integral de carreira que foi congelado e o Governo garante que não há dinheiro suficiente nos cofres do Estado para esse efeito.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Fernando Machado
    18 jun, 2018 Porto 18:06
    NOS MEUS TEMPOS DE SERVIÇO MILITAR, JÁ UM OFICIAL DE SAUDOSA MEMÓRIA, DIZIA À MALTA : QUALQUER BESTA CHEGA A GENERAL. É UMA QUESTÃO DE IDADE. SE O SENHOR NEGRÃO QUISER APROVEITAR A FRASE LAPIDAR, FIQUE COM ELA. APROVEI TE-A PARA OS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS..
  • António dos Santos
    18 jun, 2018 Coimbra 14:23
    Não entendo este palhaço! Um dia é uma coisa, no outro é outra. Como conseguiu descer tão baixo, uma pessoa que era creditada na magistratura e agora é uma vergonha. Saia do parlamento, pois está a prestar um mau serviço aos portugueses. Tenha um pingo de dignidade! Pois o seu partido desde Cavaco Silva (o maior coveiro do país) e Passos é que causaram tudo o que se está a passar.