A+ / A-
Eutanásia

​Mota Amaral apela à bancada do PSD para chumbar eutanásia

28 mai, 2018 - 15:07

Antigo presidente da Assembleia da República reconhece voto de acordo com a consciência, mas lembra mandato de representação do povo.

A+ / A-

O antigo presidente da Assembleia da República e antigo presidente do Governo Regional dos Açores, Mota Amaral, apela aos deputados do PSD para que não contribuam para a legalização da eutanásia.

Numa carta enviada aos deputado do PSD, a que a Renascença teve acesso, Mota Amaral assume que cada deputado “votará conforme a sua consciência livre”, mas lembra que os “deputados são eleitos pelo Povo para o representar e não podem, por isso, ignorar a sensibilidade do seu eleitorado”.

“Estou em crer que uma parte importante dos eleitores do PSD não se identifica com a engenharia social das questões fraturantes, a derradeira das quais é a eutanásia”, escreve Mota Amaral, acrescentando que “seria por isso penoso que a lei passasse por causa dos votos dos deputados do PSD”.

O histórico social-democrata considera que “o respeito pela vida humana, bem supremo e tão raro no Universo, rejeita a legalização da morte de uma pessoa por ação direta ou com ajuda de outrem”.

Mota Amaral acrescenta que, “permitir matar alguém em situação de fragilidade ou colaborar para que se mate, por mais comiseração que se invoque, é um retrocesso civilizacional, que especialmente destoa num país como Portugal, pioneiro na abolição da pena de morte”.

De volta ao plano político, Mota Amaral recorda ainda na missiva que, nas últimas eleições, o PSD perdeu “centenas de milhares de votos e bem convinha não seguir pelo caminho que pode reduzir ainda mais o apoio popular ao PSD”.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    28 mai, 2018 22:02
    O PSD perdeu centenas de milhares de votos devido às políticas do governo de Passos Coelho que incitaram muitos portugueses ao suicídio! Mas disso tu não falas, Mota Amaral!
  • João Lopes
    28 mai, 2018 Viseu 20:58
    Concordo com a posição do antigo presidente da Assembleia da República e antigo presidente do Governo Regional dos Açores, Mota Amaral. A eutanásia e o suicídio assistido continua a ser homicídio mesmo que a vítima o peça, tal como a escravatura é sempre um crime, mesmo que uma pessoa quisesse ser escrava! Com a legalização da eutanásia e do suicídio assistido, o Estado declararia que a vida de pessoas doentes e em sofrimento não lhe interessa, e não as protege. A eutanásia e o suicídio assistido são diferentes formas de matar. O parlamento, os tribunais, os hospitais, os médicos e enfermeiros, existem para defender a vida humana e não para matar nem serem cúmplices do crime de outros.
  • fanã
    28 mai, 2018 aveiro 17:36
    Onde estava e estavam os Srs e Sras , quando se legalizou a IVG ???????............... em que se mata o ser que ainda não viveu nem sofreu ???