|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Ministro Vieira da Silva elege “natalidade como um objetivo nacional”

09 mai, 2018 - 15:50

“Sem maior estabilidade nas carreiras profissionais as jovens famílias adiam o nascimento do primeiro filho”, reconhece o o ministro do Trabalho e Segurança Social.

A+ / A-

O principal problema da baixa natalidade em Portugal está nas precárias condições de emprego e trabalho, afirmou esta quarta-feira o ministro do Trabalho e Segurança Social, Vieira da Silva.

Numa conferência em que se falou de soluções para o aumento da natalidade em Portugal, que decorreu na Fundação Gulbenkian, em Lisboa, Vieira da Silva defendeu que é necessário promover a natalidade como objetivo nacional, sem que ninguém seja penalizado por decidir ter filhos.

“Sem maior estabilidade nas carreiras profissionais as jovens famílias adiam o nascimento do primeiro filho, portanto, há aqui a necessidade de um esforço coletivo, de uma verdadeira mobilização de todos os parceiros, não apenas dos responsáveis das políticas públicas, de olhar a natalidade como um objetivo nacional”, refere o ministro.

O Governo quer alterar esta situação. Estão a ser discutidas propostas para reduzir a duração dos contratos a prazo ou de combater a precariedade laboral.

Ana Cid, da Associação Portuguesa de Famílias Numerosas, considera que há outras medidas que podem ser dados, nomeadamente ao nível dos impostos.

“Neste momento, um casal sem filhos pode deduzir 800 euros em educação e um casal com cinco filhos tem, exatamente, o mesmo teto”, lamenta Ana Cid.

As famílias da classe média são as mais afetadas, segundo a Associação Portuguesa de Famílias Numerosas, mas o ministro Vieira da Silva argumenta que a carga fiscal é menos pesada para quem tem filhos.

“Por cada filho que se tem há um desconto. Essa diferença existe, se pode ser maior ou não é algo que vamos continuar a discutir”, garantiu o ministro do Trabalho e Segurança Social.

Para além das condições de trabalho, outras causas foram ainda apontadas como entrave ao aumento da natalidade, como o acesso à habitação, a emigração e a idade média a partir da qual as mulheres têm o primeiro filho.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    09 mai, 2018 Viseu 19:12
    O Ministro Vieira da Silva elege a “natalidade como um objetivo nacional”? Mas desde 2008, segundo dados oficiais da DGS, há em Portugal uma média de 51 abortos por dia (18.600 abortos por ano); abortar é exterminar silenciosamente na barriga das próprias mães seres humanos indefesos e inocentes; e distribuem-se além disso preservativos grátis nos Centros de Saúde…Não haverá aqui uma grande hipocrisia oficial deste governo e dos governos anteriores?
  • observador
    09 mai, 2018 quartinho de enviar faxes 17:23
    Mais uma vez os comentários que por aqui abundam são muito enriquecedores. Todos os comentários estão de parabéns!