|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Sarampo. Mais de 14 mil casos em 30 países da Europa

17 fev, 2018 - 16:56

O país com mais casos continua a ser a Roménia.

A+ / A-

Mais de 14 mil casos de sarampo foram notificados em 30 países europeus no ano passado, triplicando o número de situações registadas em 2016, segundo um relatório publicado este mês pelo Centro Europeu de Controlo de Doenças.

"Os surtos de sarampo continuam a ocorrer nos países da União Europeia e do espaço económico europeu e existe o risco de propagação e transmissão sustentada em áreas com populações suscetíveis", avisa o organismo da União Europeia.

Segundo o Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC, na sigla inglesa), foram em 2017 reportados 14.451 casos de sarampo, quando em 2016 foram notificados 4.643 casos.

O país europeu com mais casos reportados desde 1 de janeiro de 2017 até ao momento continua a ser a Roménia, com mais de 10.600, seguido de seguido de Itália, com 4.991 casos, da Grécia (1.463 casos) e da Alemanha, com menos de mil.

Em 2017, Portugal teve dois surtos simultâneos de sarampo (num total de 29 casos), que chegaram a provocar a morte de uma jovem de 17 anos.

O sarampo é uma doença grave, para a qual existe vacina, tendo provocado a morte a 50 pessoas desde início de 2016 até hoje no espaço europeu.

Contudo, o ECD estima que há uma elevada incidência de casos em crianças menores de um ano de idade, que ainda são muito novas para receber a primeira dose da vacina. Daí que reforce a importância de todos os outros grupos estarem vacinados de forma a que não apanhem nem transmitam a doença.

Segundo os dados de 2017, mais de 87% das pessoas que contraíram sarampo não estavam vacinadas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.