|
A+ / A-

Seca. Em Viseu, a família Ribeiro teve de aprender a poupar água

22 nov, 2017 - 11:00 • Liliana Carona

Não lavam a loiça logo a seguir à refeição. Colocam garrafas de água dentro do autoclismo, não regam o jardim. As circunstâncias obrigam a que se assumam novos hábitos porque, simplesmente, não há água.

A+ / A-

Cinco filhos com idades compreendidas entre os quatro e os 15 anos, sentam-se à mesa para jantar, respeitando à risca as orientações da mãe, Sónia Ribeiro.

“Ninguém deixa água nos copos e a que sobra deita-se nas plantas de casa”, garante ao mesmo tempo que acrescenta recordar-se de, nos anos 80, em Viseu, ir com o pai para filas buscar água, também devido a um período intenso de seca. “Não é a primeira vez que isto acontece, e eu também sou sensível a esta situação porque vim de África e sei o que é não ter água na torneira”, adianta.

Da mesa para a cozinha, a loiça é lavada no dia a seguir..."A loiça fica de um dia para o outro para amolecer a sujidade e poder usar o programa da máquina mais rápido”, explica à Renascença.

Antes de dormir, os 5 filhos de Sónia Ribeiro tomam banho a correr, à mesma velocidade que lavam os dentes. "Deixamos água nos copos e a que sobra vai para as plantas, sempre de torneira fechada, temos água num balde, aquela que corre antes de vir a água quente”, descreve Sónia.

A professora de de artes de 44 anos teve que adoptar novas regras em casa e deixa um aviso aos filhos: “Meus meninos, em época de seca, só puxam o autoclismo, quando é mesmo preciso”, sorri.

Na garagem de casa tudo está preparado uma falha de água. “Temos dois depósitos de água, e vários garrafões, guardamos aqui as águas que sobram do banho, que são usadas para os serviços de casa, como despejar o autoclismo”, esclarece a professora a trabalhar em Cinfães e a residir em Viseu.

Na horta de casa os legumes secaram e Gabriel de 6 anos vê com os próprios olhos porque a água é tão importante. “Porque assim não conseguimos viver”, afirma.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    22 nov, 2017 évora 23:01
    Mas as autarquias continuam a cobrar IMI e outros impostos , só resta depois da retirada do sal ... deixarem de beber água , a fim de encherem os negócios dos cemitérios municipais . Já tiveram tempo de abrir um ou dois furos em redor da barragem e bombearem água de baixo para cima , vai ser preciso no próximo Verão morrerem pessoas para se lembrarem de Fátima .