|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Reportagem

​Paddy Cosgrave, o super-herói do “networking”

06 nov, 2017 - 19:54 • João Carlos Malta

O irlandês que fez de um evento de 400 pessoas o maior do mundo da área do empreendedorismo começou a Web Summit de 2017 com mais uma demonstração de força. Ele é uma “estrela rock” para quem quer começar um negócio.

A+ / A-

Tudo começa com uma batida forte, ritmada, empolgante. A luz ajuda a criar o resto do cenário. Vêm aí o líder. Paddy Cosgrave, fundador e cara da Web Summit, abre o evento de 2017 e é recebido pelos milhares sentados na Altice Arena como se fosse uma estrela rock. Palmas, gritos, júbilo. A coreografia é encenada, mas tudo parece natural.

Ele corresponde ao êxtase do público e começa a tecer loas à cidade que o recebe: Lisboa. Diz que é linda, que é incrível. Pede palmas. Primeiro, a um lado da audiência, depois ao outro. Todos respondem.

Como os super-heróis, que mais tarde vai invocar para lançar Bryan Johnson (líder da Braintree, empresa que desenvolve tecnologia para aumentar as capacidades do cérebro) no palco, Paddy fala do superpoder dos empreendedores: o “networking” (contactos empresariais, muitas vezes feitos de forma informal). “A Web Summit é sobretudo isso”, resume.

Mas mais do que dizê-lo, é preciso fazê-lo. Ele quer quebrar o gelo e por isso pede que todos se levantem. Todos se levantam. O ritual começa. Ele pede para todos dizerem olá à pessoa que está ao lado. Todos dizem. São milhares. Depois, o irlandês quer que se apresentem a quem está por perto. Um burburinho transforma-se num som cada vez mais alto, até parecer que estamos no meio de um concerto.

A inovação imparável e os avisos de um génio a abrir a Web Summit
A inovação imparável e os avisos de um génio a abrir a Web Summit

Paddy está contente. “É mesmo assim”, diz. Depois de dar uma amostra do seu poder, explica de onde ele vem. Ele que começou em Dublin em 2010 com poucos empreendedores e é agora o maior do mundo: a fazer conferências para investidores e “startups” nas quais há ainda um toque de poderes político e económico. A Web Summit, uma "grande galeria de 'startups' e empresas de todo o mundo", “começou com uma simples ideia em 2010”, de “conectar a área da tecnologia”.

Mas ele também não esquece quem está na base e por isso pede uma ovação para o “staff” e para os voluntários que dão suporte a que os 60 mil que vão estar em Lisboa até quinta feira possam fazer o que têm a fazer: negócios.

"Os participantes são 59.115, mas, ao todo, incluindo 'staff', imprensa e investidores, 81 mil pessoas vão passar pelas portas da Web Summit nos próximos dias", estimou.

Pelo meio, Paddy Cosgrave consegue ainda ter Stephen Hawking a entrar em directo no evento. Um dos mais consagrados cientistas do nosso tempo consagrou a maior cimeira mundial de empreendedorismo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.