|
A+ / A-

Governo assegura apoios a agricultores atingidos pelos incêndios

16 out, 2017 - 14:36

“Haverá um conjunto de apoios que subsidiará até 100% do valor dos prejuízos até aos primeiros 5.000 euros e a partir daí haverá um apoio de 50% das despesas elegíveis”, anunciou Capoulas Santos.

A+ / A-

Veja também:


O Governo vai apoiar os agricultores das áreas atingidas pelos incêndios em várias zonas do país com medidas para assegurar a reposição das explorações agrícolas, anunciou esta segunda-feira o ministro da Agricultura.

“Naturalmente que iremos aplicar às áreas que estão agora a ser atingidas por incêndios as mesmas medidas que aplicámos àquelas que o foram até agora. Isto é, existirão apoios para os agricultores para aquilo que convencionamos chamar a reposição do potencial produtivo das explorações agrícolas”, afirmou Capoulas Santos à agência Lusa.

O objectivo é restituir “todas as perdas em animais que morram, equipamentos, tractores, alfaias, motores, instalações”, precisou à margem de um evento no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

Capoulas Santos indicou que "haverá um conjunto de apoios que subsidiará até 100% do valor dos prejuízos até aos primeiros 5.000 euros e a partir daí haverá um apoio de 50% das despesas elegíveis".

“Essas medidas entrarão em vigor logo que estejam delimitados os perímetros das áreas atingidas”, acrescentou.

O ministro da Agricultura disse também que, “como sucedeu há poucos dias, relativamente aos incêndios do mês de Julho e de Agosto, a portaria será publicada e serão abertos [concursos], durante um período nunca inferior a um mês, para que as pessoas atingidas possam apresentar as suas candidaturas”.

As centenas de incêndios que deflagraram no domingo – o pior dia de fogos do ano, segundo as autoridades – provocaram pelo menos 31 mortos e dezenas de feridos, além de terem obrigado a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o Governo assinou um despacho de calamidade pública, abrangendo todos os distritos a norte do Tejo, para assegurar a mobilização de mais meios, principalmente a disponibilidade dos bombeiros no combate aos incêndios.

Portugal accionou o Mecanismo Europeu de Protecção Civil e o protocolo com Marrocos, relativos à utilização de meios aéreos.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos este ano, depois de Pedrógão Grande, em Junho, um fogo que alastrou a outros municípios e que provocou 64 mortos e mais de 200 feridos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.