Tempo
|
A+ / A-

Independência vence referendo no Curdistão com 93%

27 set, 2017 - 16:21

Aumentam as pressões das potencias regionais para que os curdos abandonem as suas pretensões independentistas, mas Erbil não está a ceder.

A+ / A-

Perto de 93% dos eleitores que participaram no referendo sobre a independência do Curdistão iraquiano disseram sim à secessão do Iraque.

A vitória do “sim” no referendo de segunda-feira já era esperada mas os números oficiais apenas foram divulgados esta quarta-feira à tarde.

O Governo do Curdistão convocou o referendo para legitimar futuras negociações com Bagdad, mas a reacção do Governo central do Iraque e dos países vizinhos, incluindo a Turquia e o Irão, tem sido de fúria.

Na terça-feira o Presidente da Turquia, Erdogan, ameaçou sujeitar os curdos ao isolamento, à pobreza e à fome, fechando as fronteiras ao comércio e dizendo que não põe de parte a possibilidade de invadir o território caso o Curdistão declare independência. A Turquia era, até recentemente, um importante aliado e parceiro comercial do Curdistão Iraquiano, mas teme os efeitos que a independência possa vir a ter sobre a sua própria população curda, que é a mais numerosa da região.

Entretanto Bagdad já disse que recusa dialogar com Erbil com base no referendo e exige que o resultado seja anulado como pré-condição para qualquer conversação. O Governo iraquiano pondera enviar forças armadas para tentar retomar o controlo de importantes recursos petrolíferos e anunciou que as fronteiras e o aeroporto internacional no Curdistão passam a estar sob seu controlo directo. Uma vez que de facto Bagdad não controla o aeroporto, a autoridade de aviação do Iraque anunciou a suspensão de voos para Erbil a partir desta tarde, levando muitas companhias a cancelar as suas ligações.

Até ao momento os curdos têm resistido todas as pressões, tanto do Iraque como de outros países, no sentido de abandonar as suas pretensões independentistas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • CAMINHANTE
    27 set, 2017 LISBOA 17:58
    Depois do conflito conhecido por IIª Grande Guerra, particularmente após a Conferência de Bandung ( 29 países participaram nesta Conferência : 15 da Ásia - Afeganistão, Birmânia, Camboja, Ceilão, República Popular da China, Filipinas, Índia, Indonésia, Japão, Laos, Nepal, Paquistão, República Democrática do Vietnã, Vietnã do Sul, e Tailândia ; 8 do Oriente Médio - Arábia Saudita, Iêmen, Irã, Iraque, Jordânia, Líbano, Síria, e Turquia ; e apenas 6 da África - Costa do Ouro (atual Gana), Etiópia, Egito, Líbia, Libéria e Sudão ) - estabeleceu-se o Direito dos Povos à Auto- Determinação, onde estava implícito o Direito à Independência, matéria que passou a estar incluída na Agenda da ONU. Os ditos "Impérios" coloniais foram desaparecendo, com o culminar da queda do projecto de Portugal Ultramarino ( que até correspondeu ao início de uma série de mudanças fracturantes no equilíbrio duma certa "estabilidade" até então exigente na Comunidade Internacional). Todo o Mundo estava contra Portugal, depois de os "outros" Europeus já terem reconhecido a inevitabilidade das Independências. O povo Curdo e os seus territórios há longo tempo que são colonizados e sofrem a ocupação de forças estrangeiras, nomeadamente Iraque, Síria e Turquia. Vejam quem esteve na Conferência de Bandung e que se proclamou a favor do então "sacrossanto" Direito à Auto - Determinação dos Povos. Quero agora ver o comportamento da Comunidade Internacional e der todas as forças ditas de "Esquerda" perante os Curdos.
  • Rui
    27 set, 2017 Porto 16:59
    As magnificas divisões da segunda guerra mundial tentaram apagar um povo e um país! Vão gerar mais uma guerra e mais um genocídio!

Destaques V+