Tempo
|
A+ / A-

“Ajudem-nos a entender porquê”. Bombeiros fazem 28 perguntas sobre fogos em Pedrógão

03 ago, 2017 - 08:12

Incêndio que provocou 64 mortos e mais de 200 feridos demorou uma semana a ser extinto.

A+ / A-

A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) elaborou uma lista de 28 perguntas sobre os incêndios de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, para as quais exige respostas urgentes e objectivas por parte das várias entidades responsáveis.

A LBP anunciou, em comunicado, que enviou o conjunto de perguntas ao Presidente da República, ao Governo, grupos parlamentares, Comissão Independente criada para apurar os factos relativos ao incêndio e à Universidade de Coimbra.

“’Ajudem-nos a entender porquê’ é o título desse conjunto de questões, 28 no total, que a LBP considera fundamental formular para que se possam retirar conclusões rigorosas sobre o ocorrido em Pedrógão Grande”, lê-se no texto.

Para as 28 perguntas, que vão desde o funcionamento do Posto de Comando, aos meios de socorro, Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS), resposta da Protecção Civil, evacuações ou meios aéreos, a LBP exige respostas urgentes, claras, concretas e objectivas.

A liga quer saber, entre outras questões, se foi instalado algum gabinete de crise, por que razão e quem era o seu responsável, como e quem fez a recepção às individualidades presentes ou por quem foi instalado o posto de comando, além de querer saber quem assumiu o posto de comando, quem fez a avaliação inicial do incêndio ou qual a estratégia inicial.

Sobre os meios de socorro, pergunta por quem foram accionados, se foram activados meios aéreos de coordenação, querendo saber igualmente informações sobre o CDOS, desde a hora de chegada ao posto de comando do primeiro elemento da estrutura operacional até ao ponto da situação do incêndio no momento da passagem de testemunho.

Questiona se o presidente da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) esteve presente e a que horas chegou ao teatro de operações, se foi a ANPC ou o CDOS a assumir o comando ou porque “demorou tanto tempo a definição de sectores”.

Pergunta sobre as evacuações, os planos municipais de emergência, se existem naqueles municípios Planos Operacionais Municipais e respectivos Gabinetes Técnicos Florestais.

Por outro lado, quer saber a que horas chegaram as forças de segurança, quais é que estiveram no teatro de operações entre os dias 17 e 18 de Junho e com quantos operacionais, fazendo perguntas semelhantes relativamente às Forças Armadas.

Relativamente ao SIRESP, a Liga dos Bombeiros quer saber em que altura surgiram os problemas.

As perguntas dizem também respeito ao INEM, Polícia Judiciária, avisos do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), postos de vigia, bermas da estrada e distâncias de contenção, bem como à alegada queda do avião canadair.

Quer também saber por que razão foram alteradas as zonas envolventes aos postos de comando, pergunta pelo acidente com a viatura de bombeiros, quando começou a desmobilização de meios, além de várias perguntas sobre as vítimas mortais resultantes dos incêndios.

Por último, a LBP, questiona se destas perguntas se pode concluir que houve a falência do sistema da protecção civil, ausência de coordenação, incompetência do comando, falta de organização da floresta, falta de políticas concretas para o sector florestal e agrícola, irresponsabilidade colectiva ou falência do Estado.

Pedrógão, um mês depois. Sobreviver depois de perder quase tudo
Pedrógão, um mês depois. Sobreviver depois de perder quase tudo

Dez feridos do incêndio continuam internados em hospitais e um numa unidade de cuidados continuados.

O incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande no dia 17 de Junho, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos, e só foi dado como extinto uma semana depois.

Mais de dois mil operacionais estiveram envolvidos no combate às chamas, que consumiram 53 mil hectares de floresta, o equivalente a cerca de 75 mil campos de futebol.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • vaca voadora
    03 ago, 2017 22:40
    Estou indignado porque à parte da TV ainda não vi hoje nenhum jornal comentar a apresentação das novas brigadas florestais e foi giro ver o senhor Costa com muita genica e muitos sorrisos fazer tal apresentação, de facto o homem tem jeito para isto! Sorridente cheio de argumentos e sempre na primeira fila quando se trata de apresentar algo de positivo que até nos dá a sensação de se tratar de qualquer coisa de outro mundo, mas matreiro e fugitivo a esconder-se na toca como uma raposa quando algo vai mal, digam lá se isto não é arte?.
  • Americo
    03 ago, 2017 L 16:54
    Declaração de interesses: Não sou bombeiro,nem tenho familiares bombeiros. Dito isto, parece que os Bombeiros actuam sobre ordem estrita da Protecção Civil. Por isso fico muito triste a ler certos comentários depreciativos em relação aos Bombeiros. Informem-se p.f. e depois comentem.
  • Alberto
    03 ago, 2017 FUNCHAL 14:59
    Só os " infalíveis e inquestionáveis" bombeiros fazem tudo bem? Porque não dão formação em Espanha, Alemanha, Suiça ou EUA? Porque razão nunca sabemos se , mesmo internamente, apuraram falhas? Porque há bombeiros de férias no verão?? - porque no inverno não costuma a haver incêndios florestais? Deixem de se armar em Heróis.
  • lv
    03 ago, 2017 lx 12:15
    "(LBP) elaborou uma lista de 28 perguntas " .. Não terá sido o eterno autarca psd de V.N.Poiares que faz as perguntas?!
  • Luis
    03 ago, 2017 Lisboa 11:11
    KOSTA PANTOMINEIRO Tens lido os artigos do Observador relativamente a esse grupo mafioso que dá pelo nome de PSD?. Se internamente a organização mafiosa funciona como funciona vê lá como funciona externamente. Foi assim que funcionou durante quatro anos daí quase ter destruído o País e ter posto milhões de Portugueses na miséria. Os Portugueses não esquecem.
  • Manuel Maria Lindo
    03 ago, 2017 Sobrado Valongo 10:49
    Quem está a atingir os objectivos com a época dos incêndios provocados ? Crenças politicas o mais provável ou interesses comerciais, acabem com isso apareça quem tenha coragem para o fazer, antes do 25 isso não existia, porquê ?
  • Zé das Coves
    03 ago, 2017 Alverca 10:38
    Eu apenas faço duas perguntas, Quem dá formação aos Bombeiros ? O vento que se fez sentir no dia fatídico foi normal ? ou atípico ?
  • Maria Manuela Nunes
    03 ago, 2017 Queluz 10:05
    Estão à espera que nos esqueçamos para não haver respostas?
  • KOSTA PANTOMINEIRO
    03 ago, 2017 Lx 09:03
    O kamarada Kosta mais a sua geringonça anda a esconder a incapacidade e a incompetência do desgoverno que andou a reboque dos acontecimentos. Enquanto o país ardia o 1º Ministro gozava férias...Triste sina a de Portugal com estes xuxas manipuladores a desgovernar o país.Um líder ve-se nas horas dificeis e não nas fáceis mas o kamarada Kosta é um pantomineiro, um mestre da ilusão e lá teremos de pagar a sua incompetência. Passados mais de 40 dias ainda nada se sabee e quando se souber os portugueses estão de férias para ninguém saber. O SIRESP e as negociatas do kamarada Kosta, da sua MAI terão de ser bem explicados, as mudanças na desproteção civil também para meter os boys do PS, os negócios dos kamovs e do Siresp também, os mais de 15 anos de governação socialista sem a reforma da floresta também onde pontuou essa initilidade do Capoulas...Enfim, demasiada incopetência para ser verdade.

Destaques V+