|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Processos disciplinares a agentes da PSP na Cova da Moura foram arquivados

11 jul, 2017 - 19:01

Agentes estão entre os 18 acusados pelo Ministério Público de tortura, sequestro agravado e ofensas racistas.

A+ / A-

A Inspecção-Geral da Administração Interna (IGAI) esclareceu esta terça-feira que arquivou nove inquéritos disciplinares a agentes da PSP envolvidos nos incidentes na Cova da Moura (Amadora), alertando que não se deve misturar este processo com as acusações do Ministério Público.

Num esclarecimento enviado à agência Lusa pelo gabinete da inspectora-geral da IGAI, a entidade afirma que, após os incidentes ocorridos em 2015 na Cova da Moura, foram abertos nove processos disciplinares, dos quais sete foram arquivados e aplicadas sanções em dois.

No entanto, “o processo de inquérito (de natureza disciplinar), por seu turno, na parte que seguiu termos após a instauração dos nove processos disciplinares, foi oportunamente arquivado”, refere a IGAI, referindo que as motivações desta decisão constam dos relatórios e “decorre da apreciação dos elementos recolhidos, alguns provenientes do processo criminal que correu termos em paralelo”.

No esclarecimento, a IGAI destaca que o seu procedimento disciplinar “é independente do procedimento criminal”, numa alusão a 18 acusações contra elementos da PSP dadas a conhecer esta terça-feira pelo Ministério Público no âmbito do mesmo caso, por tortura, sequestro agravado e ofensas racistas, entre outros alegados crimes.

Para a IGAI, os dois processos encontram-se em “fases distintas”, uma vez que o disciplinar foi concluído e o criminal está na “fase inicial”, pelo que a comparação das decisões entre ambos “não tem fundamento” e pode implicar “uma violação da presunção da presunção de inocência”.

A IGAI observa ainda que, perante os mesmos factos, a acusação criminal “envolve uma apreciação probatória de elementos diversa” por comparação aos processos disciplinares.

“Porém, a comparação decisiva a fazer entre processo criminal e processo disciplinar deve ter por objecto processos findos, realidade que neste momento ainda não existe”, acrescenta

De acordo com a informação disponibilizada hoje no “site” da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa, os 18 agentes da PSP estão igualmente acusados de outros "tratamentos cruéis e degradantes ou desumanos e sequestro agravado" e falsificação de documento.

Segundo a acusação do MP, os agentes da PSP, em Fevereiro de 2015, "fizeram constar de documentos factos que não correspondiam à verdade, praticaram actos e proferiram expressões que ofenderam o corpo e a honra dos ofendidos, prestaram declarações que igualmente não correspondiam à verdade e privaram-nos da liberdade".

Os arguidos encontram-se sujeitos a termo de identidade e residência.

A PSP destacou esta terça-feira que “a presunção de inocência se mantém até trânsito em julgado”, recordando que foram accionados os meios disciplinares internos e da IGAI aos polícias envolvidos nos incidentes com os jovens da Cova da Moura.

Contactado pela Renascença, o Ministério da Administração Interna indicou que não faz comentários sobre qualquer decisão judicial.

Fonte policial disse à agência Lusa que os agentes agora acusados estão todos ao serviço.

A versão da PSP, que na altura apresentou aos acontecimentos de Fevereiro de 2015, relata que um grupo de cerca de 10 jovens tentou invadir a esquadra da PSP de Alfragide, no concelho da Amadora, na sequência da detenção de um jovem que atirou uma pedra contra uma carrinha policial.

Ainda de acordo com a PSP, uma carrinha de uma equipa que patrulhava o bairro da Cova da Moura foi atingida por uma pedra atirada por um jovem de um grupo de cerca de 10 pessoas. Um polícia sofreu ferimentos ligeiros, no rosto e nos braços, e foi transportado para o Hospital de Amadora-Sintra, e o jovem, de 24 anos, foi levado para a esquadra de Alfragide.

Na sequência da detenção, os restantes jovens, com idades entre os 23 e 25 anos, "tentaram invadir" a esquadra, tendo sido disparado um novo tiro para o ar, disse a PSP. Foram detidos cinco elementos do grupo e os restantes fugiram.

Esta versão é contrariada pelos jovens, que se queixam de agressões, tortura e discriminação racial por parte dos agentes da PSP.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Francisco Torres
    13 jul, 2017 Viana do Castelo 14:49
    É apanágio do sistema o branqueamento e encobrimento das ilegalidades e irregularidades praticadas em forma continua e consistente, caso para se dizer que é metodologia de acção das mesmas forças. Portugal apesar de se assumir o respeito pelos direito humanos, o factos diários é que nos apresentamos como um país com forças policiais com comportamento das suas congéneres sul americanas!!!!
  • Bela
    11 jul, 2017 Coimbra 19:40
    De vez em quando há bom senso. Há jovens que mesmo que sejam culpados, obviamente, não o admitem. Há certas pessoas que quando não os deixam fazer o que querem, acusam sempre os outros de racismo. E curiosamente são sempre os mesmos.
  • Cidadao
    11 jul, 2017 Viseu 19:39
    Nao bate a bota com a perdigota
  • esteves
    11 jul, 2017 porto 19:16
    tenho 67 anos ja estive na guine fui imigrante na alemanha 6anos na franca 3anos na belgica 7anos e nunca tive problemas com a policia nunca entrei numa esquadra nem em um tribunal sabem porque porque tive educacao em crianca um nojo estes que acsam tudo e todos de rascistas e de fascistas quando eles sao os maiores rascistas e fascistas