|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Trump saúda Presidente das Filipinas, onde se atira a matar para combater a droga

24 mai, 2017 - 11:29

Desde que Rodrigo Duterte foi eleito, cerca de nove mil pessoas ligadas ao tráfico de droga foram assassinadas extrajudicialmente.

A+ / A-

Veja também:


O Presidente dos Estados Unidos terá telefonado ao Presidente das Filipinas para lhe dar os parabéns pelo combate que tem feito ao tráfico de droga no seu país.

Segundo uma transcrição da conversa de 29 de Abril, que foi publicada nas Filipinas, Donald Trump não poupou elogios ao desempenho de Rodrigo Duterte neste campo.

“Queria só dar-lhe os parabéns porque ouvi falar do trabalho incrível que está a levar a cabo em relação ao problema das drogas. Muitos países têm este problema, nós temos um problema, mas você está a fazer um grande trabalho e queria apenas ligar para dizer isso”.

Os excertos da transcrição foram publicados nos Estados Unidos pelo “New York Times” que confirmou, junto de fonte da Casa Branca, que esta é uma representação precisa da conversa que os dois chefes de Estado tiveram.

Desde que Duterte tomou o poder, no dia 30 de Junho de 2016, cerca de nove mil pessoas ligadas ao tráfico, ou meros toxicodependentes, foram assassinadas extrajudicialmente.

Duterte foi, aliás, eleito com base em promessas de acabar com a criminalidade, custe o que custar, e as técnicas de “combate à droga” que tem usado enquanto Presidente são o espelho do que fazia enquanto autarca, havendo informação não confirmada de que nessa altura ele mesmo participava num grupo armado que assassinava traficantes.

Vários grupos de direitos humanos têm criticado Duterte e os bispos católicos do país mandaram ler uma declaração em todas as missas do país condenando o “reino de terror” causado pelas políticas do Presidente.

Duterte não só não se parece preocupar com as críticas como até se orgulha delas. Num comício em Setembro de 2016 disse publicamente que “Hitler massacrou três milhões de judeus. Agora, há aqui três milhões de viciados [em drogas]. Gostaria de matá-los a todos.

Noutra ocasião disse que “muitos ainda vão ser mortos até que o último traficante desapareça das ruas. Até que o último fabricante de drogas seja morto, nós vamos continuar”.

No final da conversa, segundo a transcrição citada pelo "New York Times", Trump convidou Duterte a visitar os Estados Unidos para se encontrar com ele na Sala Oval.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuel
    25 mai, 2017 11:45
    Um dia será apanhado e julgado,por crimes contra a humanidade.
  • Barbeiro
    25 mai, 2017 Braga 10:46
    O Presidente da República Portuguesa, andou a visitar os sem abrigo por Lisboa, a distribuir agasalhos e comida. O Presidente das Filipinas fazia o mesmo, Também distribuía bala, para assim acabar com os sem abrigo. Ambos os Presidentes são generosos
  • selvageria
    25 mai, 2017 05:47
    Alguém defenda as pessoas desta fera.
  • Selvageria
    24 mai, 2017 Portugal 22:48
    Mais tarde ou mais cedo vai-se sentar no Tribunal Internacional de Haia.
  • António Costa
    24 mai, 2017 Cacém 18:41
    O CAMINHANTE de Lisboa, referiu uma série de aspetos extremamente importantes. Mais um ponto. A China, por exemplo, estava no inicio do Séc. XX, devastada pelo flagelo da droga e não foi com "panos quentes" que se "resolveu" o problema....
  • CAMINHANTE
    24 mai, 2017 LISBOA 15:14
    Infelizmente o Mundo atingiu um estádio tal no que concerne a várias matérias, onde a liberdade foi assumida como libertinagem, democracia com "anarquia" , direitos com exigências infundamentadas / ilimitadas, apoio social com chulice , e por aí fora de contradições e desvirtuamentos, que agora não existem verdadeiras alterações correctivas sustentáveis que não tenham de passar por medidas e actuações de força extrema e "ilegais" (perante o quadro legal), embora legítimas ( perante a necessidade de justiça e reconstrução social). Mas ainda tardará até que inexoravelmente se aplique este caminho áspero, terrífico, de força manifesta e aparentemente desproporcional. Mas tempo virá que vai suceder. Olhem para a História , vejam os exemplos de decadência de grandes e apuradas civilizações... mais o seu "reviralho" ( dominação pelos mais atrasados civilizacionalmente, mas intransigentes em normas ).
  • Portugues
    24 mai, 2017 Porto 15:10
    BRAVO. A GENTE DE BEM, A MAIORIA SILENCIOSA QUE SOFRE TUDO E SOBRETUDO VIVE COM MEDO IRÃO VENCER LUTA CONTRA BANDIDAGEM E VAGABUNDOS.
  • desatina carreira
    24 mai, 2017 queluz 15:02
    um exemplo a ser seguido em Portugal as politicas do presidente filipino
  • Fernando Barros
    24 mai, 2017 Lisboa 14:50
    Se houvesse mais como este presidente filipino,muitos dos problemas actuais seriam resolvidos,por muito que isto custe aos tontos do "políticamente correcto".
  • No país da diversão
    24 mai, 2017 Lisboa 14:09
    Caro Adelino, "É este o presidente que o povo americano escolheu?" É e eles não se enganaram. O povo em geral é inculto e gosta muito de circo, futebol, etc. Cá é igual. Há frases de grandes pensadores que falam sobre isso. Você não se lembra que cá há alguns anos uma televisão interrompeu uma entrevista ao 1º Ministro para dar uma informação de futebol. O futebol é um assunto muito importante, serve para manipular as pessoas e elas ainda gostam disso. Os media que temos são uns dos grandes culpados do povo ser assim.