|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Bispo de Viseu: "Antes dos padres, precisamos dos casais"

02 mai, 2017 - 16:28 • Liliana Carona

Na semana nacional das vocações, que culmina, no domingo, como 54.º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, D. Ilídio Leandro questiona: "Como podemos querer que haja seminaristas se cada casal tem um filho ou não tem nenhum?"

A+ / A-

O bispo de Viseu, D. Ilídio Leandro, apela ao Governo e aos empregadores que criem condições aos casais de forma a que estes possam constituir família.

No âmbito da semana das vocações que está em curso e culmina, no domingo, com o 54.º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, D. Ilídio declara que, "antes dos padres, precisamos dos casais”.

“Temos poucos padres e poucos religiosos, mas antes deles precisamos de casais, porque todos os padres vêm do matrimonio. Temos três seminaristas aqui e três em Braga, quando, há 20 anos, tínhamos dezenas deles”, diz o bispo de Viseu à Renascença.

"Como podemos querer que haja seminaristas se cada casal tem um filho ou não tem nenhum? Todas as vocações a começar pelo matrimonio são importantíssimas”, enfatiza D. Ilídio Leandro.

Por isso, D. Ilídio Leandro apela a uma reconstrução justa do país, nos valores da liberdade e do emprego: “Agora que temos governo formado relativamente há pouco tempo e um presidente dinâmico e muito próximo, apelo à reconstrução de Portugal nos valores da liberdade, do emprego, porque, muitas vezes, os jovens não vão para o casamento porque estão à espera de segurança, não têm emprego.”

“Apelo a que o Estado e os empregadores tenham em conta os problemas e as necessidades da família”, remata o bispo de Viseu.

“Impelidos pelo Espírito para a missão” é o tema proposto pelo Papa Francisco, para o 54.º Dia Mundial de Oração pelas Vocações.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.