Tempo
|
A+ / A-

Ministério Público abriu três inquéritos relacionados com o "Baleia Azul"

02 mai, 2017 - 17:26 • Liliana Monteiro

PGR admite bloquear hiperligações para combater este jogo.

A+ / A-

Veja também:


O Ministério Público já abriu três inquéritos relacionadas com a prática do "jogo" Baleia Azul. As investigações correm nas comarcas de Setúbal, Portalegre e Faro.

Questionada pela Renascença, a Procuradoria-Geral da República esclarece que o Ministério Público encontra-se “atento à situação e, no âmbito dos inquéritos, não deixará de ponderar todas as medidas processuais adequadas previstas na lei do cibercrime, incluindo a de bloqueio de links [hiperligações]”.

O Baleia Azul, que nasceu na Rússia e no Brasil e já chegou a Portugal, incita, através da internet, jovens à automutilação e ao suicídio. O "jogo" consiste na atribuição de 50 tarefas, entre as quais "corte o braço com uma lâmina" ou "fure a mão com uma agulha".

Os administradores do jogo enviam ainda filmes e músicas que os jovens têm de ouvir. Depois, levam a que estes avancem para a automutilação. A última tarefa é o suicídio. As vítimas são normalmente menores fragilizados a quem são feitas ameaças, pessoais e à família, em caso de abandono do jogo.

A PSP aconselha os pais a “manterem-se informados relativamente ao jogo e a alertar crianças e jovens para as suas implicações”, bem como a aumentarem a supervisão das actividades dos filhos na internet.

“Importa ainda que os pais alertem as crianças sobre os riscos de adicionar desconhecidos e recomendem que apenas a família, amigos e pessoas da escola façam parte da lista de amizades nas redes sociais”, diz a PSP, que aconselha os pais a dirigirem-se à esquadra mais próxima sempre que suspeitem que “as crianças ou jovens estejam a ser alvo de violência psicológica ou intimidação”.


Se precisa de ajuda ou tem dúvidas sobre este tipo de problemas, contacte um médico especialista ou um dos vários serviços e linhas de apoio (gratuitas), como a Saúde 24 (808 24 24 24), o SOS Criança (116 111), a Linha Jovem (800 208 020) ou o S.O.S. Adolescente (800 202 484).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Portugues
    02 mai, 2017 Porto 19:32
    BRAVO. MEDIDAS DEVEM SER TOMADAS URGENTEMENTE E PUNIR SEVERAMENTE TODOS OS IMPLICADOS NISSO, (autores e não só). Todos os jovens que mentalmente precisem de ajuda devem-na procurar nos locais certos. Auto mutilação, ameaças, mas esses pacóvios andam doidos. Isso é caso para averiguar e punir os responsáveis e imediatamente.
  • J. Gil
    02 mai, 2017 Santarem 18:57
    Esses tipos de sites doentios devem de ser bloqueados e os seus mentores processados. Os conteudos são drogas. Não consigo compreender como é que há quem jogue nessas pocilgas. Só pode ser quem esteja muito (mentalmente) perturbado necessitando de apoio psiquiátrico.
  • André
    02 mai, 2017 Lisboa 18:31
    Que ideia estapafurdia... 100% destes jogos decorre dentro de 2 redes sociais e usa as mensagens internas para a comunicação entre líder e candidato. Para bloquearem algo, iriam bloquear essas redes sociais? É melhor é começarem por punir fortemente o bullying e os ataques grupais nos grupos de jovens. Se quem faz isso for punido muito fortemente (e não é o dia de suspensão da escola que é considerada punição... 5 dias a lavar a rua e apanhar o lixo do chão é uma punição muito mais forte do que 10 dias de suspensão) já se reduz o número de pessoas que entram por estes caminhos. A maioria dos apanhados nisto, são jovens (até aos 25 anos) que são hostilizados por alguma diferença ou que sofreram violência psicológica e física por parte de colegas. Se esses grupos forem acautelados e os agressores punidos, este tipo de jogo morre depressa sem ninguém interessado nisto.