Tempo
|
A+ / A-

Entrada gratuita na Torre dos Clérigos no Domingo de Ramos

05 abr, 2017 - 12:17

O responsável da Irmandade dos Clérigos reage à atribuição de mais um prémio pela restauração de um dos ex-libris da Cidade do Porto. "Eu não consigo explicar a beleza daquilo. As pessoas que vão lá ver no domingo, que será gratuito."

A+ / A-

As entradas na Torre dos Clérigos serão gratuitas no próximo domingo, que é Domingo de Ramos, anunciou esta quarta-feira, em entrevista à Renascença, o padre Américo Aguiar, presidente da Irmandade dos Clérigos e responsável pela obra de restauro a que foi atribuído o prémio Europa Nostra.

"Para nós, é uma alegria sem limites este prémio", disse o sacerdote, descrevendo a distinção como "a cereja no topo do bolo" e "o topo da carreira" para este tipo de obra de restauro.

Convidado a descrever aos ouvintes, sobretudo os que nunca visitaram os Clérigos, o que podem encontrar no monumento, Américo Aguiar confessou que não tem palavras para tal e por isso convida todos os que queiram a visitar a torre no domingo, sem pagar.

A Torre dos Clérigos é uma das atracções turísticas mais visitadas na cidade do Porto e cerca de 85% dos visitantes actualmente são estrangeiros.

Segundo o responsável dos Clérigos, "a sorte do arquitecto Nicolau Nasoni no séc. XVIII foi a de encontrar profissionais capazes de transformar o seu desenho em obra prima" e agora também a Irmandade "teve novamente profissionais capazes de devolver o edificado à cidade e ao mundo, que é hoje o ex-líbris do Porto e que enche de orgulho".

O padre Américo Aguiar orgulhou-se também do facto de esta ser uma distinção europeia numa altura em que "quando ouvimos falar da Europa é sempre por más razões, como pelo défice, temos agora um país do Sul que afinal não desbarata os meios mas é mostrado como exemplo para a Europa inteira, numa intervenção cultural de restauro de património e boa aplicação de fundos europeus", diz. Este orgulho é aumentado pelo facto de muitas das receitas provenientes dos prémios que o restauro tem recebido terem sido entregues a instituições de solidariedade, com destaque para hospitais e bombeiros, num total de mais de meio milhão de euros.

Por fim, o sacerdote recordou o facto de o restauro ter permitido remover barreiras de acessibilidade, permitindo a pessoas com diversos tipos de deficiência e mobilidade reduzida chegar a mais de 80% do monumento. "Só não os podemos levar mesmo ao topo, porque o elevador não cabe no topo", lamentou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.