Tempo
|
A+ / A-

“Muitas coisas vão aqui nascer”, diz Medina na estreia do novo Eixo Central

22 jan, 2017 - 18:42 • Susana Madureira Martins

Presidente da Câmara de Lisboa respondeu às acusações de eleitoralismo por parte dos vereadores da oposição.

A+ / A-
Fernando Medina. "Não há obra nem iniciativa política sem crítica"
Fernando Medina. "Não há obra nem iniciativa política sem crítica"

Veja também:


Está inaugurado o novo Eixo Central de Lisboa. Ao longo deste domingo, a zona da Avenida da República, Praça Duque de Saldanha e Avenida Fontes Pereira de Melo foi espaço para diversas actividades desportivas e animação de rua. A festa de inauguração – que teve lugar ao fim de nove meses de obras - custou cerca 45 mil euros e foi ocasião para o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, responder às críticas.

“Esta é uma obra que está no programa do governo da cidade, começou dentro do prazo previsto, acabou dentro do prazo previsto, não teve nenhum atraso, correu bem e é hoje devolvida às pessoas”, disse Medina.

“Quando não há muita substância para criticar, faz-se uma crítica dessa natureza”, respondeu Medina.

Quanto às críticas dos comerciantes e dos taxistas que se queixam, por exemplo, de menos lugares para estacionamento, o autarca responde que não há obra sem crítica, mas confia que, a prazo, todos irão ver as vantagens.

“Todas essas questões vão ser minoradas. Os impactos no trânsito são muito limitados. Este tipo de obra a breve prazo vai ser um grande apoio ao comércio de proximidade. Quando temos mais pessoas a circular, a vive este espaço, obviamente vamos ter mais actividade comercial. Muitas coisas vão aqui nascer”, acredita Medina, argumentando que está a devolver a cidade aos lisboetas.

As obras do Eixo Central de Lisboa demoraram nove meses e custaram sete milhões de euros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Pais
    23 jan, 2017 Lisboa 14:46
    Referia-se aos votos?? Ou às dores de cabeça para quem lá passa?
  • Silva
    23 jan, 2017 Fonte 10:17
    No alcatrão não nasce nada! É dinheiro enterrado. O populismo dos xuxialistas a funcionar!
  • Martins
    23 jan, 2017 LX 09:39
    Vão nascer muitas coisas, sim.... filas de trânsito, níveis aumentados de poluição, falta de lugares de estacionamento, mobilidade reduzida, etc. Enquanto isso nascem buracos nas ruas e passeios, lixo e afins na áreas menos "visíveis" da cidade.