Tempo
|
A+ / A-

​Obama confiante que seria reeleito se a Constituição permitisse

27 dez, 2016 - 00:00

O Presidente norte-americano acredita que o povo ainda apoia a sua visão política progressista, apesar de ter escolhido uma figura como Donald Trump para o suceder na Casa Branca.

A+ / A-

O ainda Presidente dos Estados Unidos Barack Obama, que deixará a Casa Branca em Janeiro, acredita que seria reeleito para um terceiro mandato caso a Constituição norte-americana permitisse a sua candidatura.

As declarações de Obama foram feitas durante uma entrevista ao 'podcast' "The Axe Files", um programa produzido pelo canal de notícias CNN e pela Universidade de Chicago que é conduzido pelo ex-assessor presidencial David Axelrod.

Durante a entrevista, o ainda Presidente disse acreditar que o povo americano ainda apoia a sua visão política progressista, apesar de ter escolhido em Novembro passado uma figura como Donald Trump para o suceder na Casa Branca.

"Tenho confiança nesta visão, porque tenho certeza que se concorresse novamente e pudesse explicar, acredito que conseguiria mobilizar uma maioria do povo americano para a apoiar", afirmou o governante, rejeitando as críticas de que a sua visão para os Estados Unidos não passava de um sonho.

"Após a eleição e a vitória de Trump, muitas pessoas sugeriram que, em certa forma, não teria sido mais do que um sonho. (...) Mas a cultura mudou, a maioria aderiu à noção de uma América única que é tolerante, diversa e aberta, plena de energia e de dinamismo", defendeu.

Fazer o certo e não o popular

Na conversa com David Axelrod, o Presidente cessante falou igualmente no bom desempenho da candidata presidencial democrata Hillary Clinton face a "circunstâncias muito difíceis" e no facto de os democratas terem conquistado o voto popular.

"Perder nunca é divertido", disse Obama a Axelrod, o estratega político que o ajudou a ganhar as eleições presidenciais de 2008 e que seria posteriormente seu assessor na Casa Branca.

"Tenho orgulho por ter tentado fazer neste cargo aquilo que acho que é certo e não aquilo que é popular, sempre digo às pessoas que não subestimem a humilhação pública de perder na política", referiu.

Apostar numa geração de talentos

Sobre as suas prioridades a longo prazo, Barack Obama destacou que pretende ajudar a construir a futura geração de líderes, organizadores, jornalistas e políticos.

"Quero utilizar o meu percurso presidencial como um mecanismo para desenvolver a próxima geração de talentos", prosseguiu.

A curto prazo, após a saída da Casa Branca em meados de Janeiro, Obama confidenciou que pretende dormir, escrever e gozar umas grandes férias com a mulher Michelle.

"Devo ficar quieto durante um período. Não quero dizer politicamente, mas a nível interior. É preciso estarmos em sincronia com nós próprios e absorver o que acontece antes de tomar decisões", concluiu.

Em Novembro de 2008, Barack Obama, o 44.º Presidente dos Estados Unidos, tornou-se no primeiro afro-americano a ser eleito para a Casa Branca. Seria reeleito em 2012 para um segundo mandato de quatro anos. A lei norte-americana não prevê a possibilidade de três mandatos presidenciais consecutivos.

Donald Trump, vencedor das eleições do passado dia 8 de Novembro, será empossado a 20 de Janeiro, numa cerimónia pública junto ao edifício do Capitólio, em Washington.

Obama pede ajuda a Michelle para a última mensagem de Natal
Obama pede ajuda a Michelle para a última mensagem de Natal
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • O país da diversão
    27 dez, 2016 Lisboa 13:03
    Aqui está mais um exemplo do pais da diversão. Não percebo qual o interesse disto para nós que estamos em Portugal? Informação apenas para "ocupar espaço" não é notícia.