|
A+ / A-

Marcelo e a solução para os lesados do BES: "Ainda não percebi exactamente qual é o esquema"

19 dez, 2016 - 18:29

Presidente não conhece mecanismo que permitirá minorar as perdas de cerca de 4 mil clientes do BES que compraram papel comercial do Grupo Espírito Santo.

A+ / A-

O Presidente da República disse esta segunda-feira que ainda desconhece a solução apresentada pelo Governo para os lesados do Banco Espírito Santo (BES) e que vai tentar "perceber qual é o esquema em termos de financiamento" para depois comentar o acordo.

"Para já, não vou dizer nada, porque ainda não percebi exactamente qual é o esquema. Vou tentar perceber qual é o esquema em termos de financiamento, depois digo-vos", declarou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, no final de uma visita à Sinagoga de Lisboa.

O chefe de Estado, que antes desta visita esteve num centro de apoio social e numa igreja anglicana, repetiu várias vezes que ainda não conhece a solução para atenuar as perdas dos lesados do Banco Espírito Santo (BES): "Não conheço. Eu andei todo o dia, como sabem, em compromissos e cerimónias, e ainda não pude conhecer".

Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que possivelmente falará do assunto na terça-feira. "Como eu não conheço a solução, eu o máximo que posso é amanhã [terça-feira], havendo uma ocasião para nos encontrarmos, poder dizer o que penso do acordo. Hoje não tive oportunidade, foram testemunhas do que foi a minha vida", declarou.

"Eu sei que querem saber coisas sobre a matéria, mas eu amanhã [terça-feira], se puder, digo-vos", reiterou.

O Governo apresentou esta segunda-feira à tarde o mecanismo que permitirá minorar as perdas de cerca de 4 mil clientes do BES que compraram papel comercial do Grupo Espírito Santo (GES), que foi à falência, e cujo reembolso nunca receberam.

Segundo o primeiro-ministro, António Costa, compete agora a cada um dos lesados "avaliar e decidir da sua adesão a esta solução", que no seu entender consiste num "compromisso equilibrado" que permite reforçar a confiança no sistema financeiro português.

"Não conseguimos o milagre de endireitar a sombra de uma vara torta", considerou o primeiro-ministro, declarando a sensação de "dever cumprido".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Carlos Cunha
    21 dez, 2016 Lisboa 19:05
    Nem eu.Mas como contribuinte sei uma coisa, mais dia menos dia, vou ter que contribuir.Vejam quanto já pagamos para os bancos e para seus gestores enriquecerem em pouco tempo.E nunca sâo responsáveis por nada.Assim até eu geria bancos.Aqui em Portugal ser gestor de banco e como sair o euromilhôes.So gostava de saber como sâo escolhidos e se repartem o salário,como no PCP com alguém.Mas mesmo assim dá para todos.
  • rosinda
    19 dez, 2016 palmela 19:34
    O outro primeiro minisro andou o dia em cerimonias diz que ainda nao percebeu o esquema!