|
A+ / A-

Rei da Tailândia colocado em assistência respiratória

09 out, 2016 - 19:29

Bhumibol Adulyadej não está estável, segundo um comunicado do palácio real.

A+ / A-

O Rei da Tailândia, Bhumibol Adulyadej, de 88 anos, hospitalizado quase permanentemente desde há dois anos, foi colocado com assistência respiratória, anunciou o Palácio Real, acrescentando que o estado de saúde do monarca não é estável.

O mais velho monarca em funções, com 70 anos no trono, o rei Bhumibol Adulyadej é profundamente venerado na Tailândia, mas a sua saúde frágil inspira muitos cuidados, o que fez com que não seja visto em público desde há cerca de um ano.

De acordo com um comunicado do Palácio Real, o monarca foi colocado com assistência respiratória depois da sua pressão arterial ter colapsado como resultado de procedimentos médicos de preparação para diálise e mudança de um dreno.

"A equipa médica está a vigiar os sintomas e a administrar-lhe os tratamentos com cautela, já que os sintomas da sua condição clínica não são estáveis", lê-se no comunicado, citado pela agência France Presse.

Nos últimos meses, o Palácio Real publicou regularmente comunicados sobre o estado de saúde do rei que sofre de uma insuficiência renal.

Nos dois últimos anos, Bhumibol Adulyadej foi tratado a infecções bacterianas, dificuldades respiratórias, problemas cardíacos e hidrocefalia.

Os seus retratos são omnipresentes por todo o país e o culto da personalidade foi ainda mais reforçado depois do golpe de Estado a 22 de maio de 2014, conduzido em nome da defesa da monarquia.

A família real está protegida por uma das leis de lesa-majestade mais severas do mundo. Em Agosto de 2015, um homem foi condenado a 30 anos de prisão e uma mulher a 28 anos depois de terem publicado na rede social Facebook várias mensagens consideradas insultuosas contra a família real.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • O país da diversão
    09 out, 2016 Lisboa 20:23
    Com esta imprensa os portugueses são muito cultos, sabem tudo o que tem pouco ou nenhum interesse, que acontece a milhares de quilómetros e que é uma questão interna do país, sem interesse público para nós. É mesmo isso que a imprensa quer, que o povo não saiba o que realmente é importante. E isto estava na página do SAPO! Andaram a tirar um curso de jornalismo ou de diversão?