|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Óbitos

A+ / A-

O que têm em comum cereja, hortelã, agrião e poejo? Travam o cancro

29 set, 2016 - 14:46

Uma equipa de investigadores do iBET testou in vitro a bioactividade de vários alimentos e comprovou o seu potencial para travar a multiplicação de células humanas de cancro.

A+ / A-

A cereja, o agrião, a hortelã e o poejo são alguns dos alimentos que têm na sua composição química compostos com potencial efeito anti-tumoral, segundo uma investigação do Instituto de Biologia Experimental e Tecnológica (iBET).

Uma equipa de investigadores do iBET testou in vitro a bioactividade de vários alimentos e comprovou o seu potencial para travar a multiplicação de células humanas de cancro.

Segundo os responsáveis, até ao momento, os extratos naturais testados e que apresentam concentrações elevadas dos compostos bioactivos derivam do refugo de cereja, das cascas de citrinos, de quatro ervas aromáticas e três vegetais crucíferos: alfazema, rosmaninho, hortelã e poejo, agrião, brócolos e rúcula.

Alguns destes alimentos, como é o caso do refugo de cereja, são hoje desaproveitados apesar de terem extractos ricos em álcool perílico, que tem já reconhecida actividade anti-cancerígena.

Os investigadores desenvolveram uma nova tecnologia de extracção limpa e sustentável - tecnologia de extracção com solventes não tóxicos pressurizados - que lhes permitiu isolar com sucesso diversos extractos naturais.

"Este é mais um passo para a futura disponibilidade de nutracêuticos e princípios activos naturais, reconhecidos pelos pares, pela regulamentação e pela indústria, e recomendados pelos clínicos como agentes que retardem o aparecimento da doença ou como coadjuvantes de métodos terapêuticos agressivos, permitindo a diminuição das doses terapêuticas ou a atenuação de efeitos secundários", explica Teresa Serra, a investigadora que está a liderar este projecto.

Além da importância clínica e humana, esta investigação poderá ter um impacto económico relevante junto da indústria agro-alimentar uma vez que envolve a valorização de desperdícios e excedentes provenientes das suas fábricas e produções, acrescenta Ana Matias, responsável do "Grupo de Nutracêuticos e Libertação Controlada" do iBET.

Assim que estiver concluída esta fase de testes laboratoriais, a equipa vai começar a parceria já estabelecida com o Instituto de Português de Oncologia IPOLFG, que permitirá estudar o efeito destes extractos naturais em várias linhas celulares correspondentes a diferentes vias de génese tumoral, assim como em células derivadas de pacientes.

Na sequência deste projecto, está ainda prevista a realização de um estudo clínico para avaliar o seu efeito em doentes oncológicos com cancro colorrectal, que actualmente é o terceiro cancro com maior incidência.

Este projecto, que é apoiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), junta especialistas em Engenharia Química, Química Analítica, Biotecnologia e Oncobiologia.

O iBET está actualmente a desenvolver 70 projectos de Insvestigação e Desenvolvimento (I&D), assegurados por cerca de 120 investigadores, engenheiros, técnicos e bolseiros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.