|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Ambientalistas consideram “inaceitável” construção de depósito para resíduos em Almaraz

25 set, 2016 - 00:00

Francisco Ferreira espera que o Governo português se pronuncie sobre este caso.

A+ / A-

A associação ambientalista Zero considera "inaceitável" a construção do depósito de resíduos nucleares na central de Almaraz, em Espanha. O PSD pede esclarecimentos ao Ministério do Ambiente na próxima segunda-feira.

Para Francisco Ferreira, presidente da Zero, a construção do depósito de armazenamento de resíduos nucleares é prematura e sinal do prolongamento do funcionamento da central, que deveria encerrar em 2020.

Em declarações à Renascença, o presidente da associação ambientalista desafia o Executivo a quebrar o silêncio sobre esta questão alarmante para a saúde das populações. “O Governo português devia pronunciar-se e mudar a sua atitude de silêncio porque em causa está um grave problema para a saúde das populações”, frisa.

O PSD também já reagiu à notícia. À Renascença, o deputado Manuel Frexes afirmou que os sociais-democratas estão muito “preocupados” com a situação. “A central está muito próxima da nossa fronteira. Basicamente o que se devia estar a fazer hoje era tratar do seu encerramento em vez de prolongar a esperança de vida desta central, que continua a laborar com vários problemas”.

Por essa razão, o PSD avançou com um pedido de esclarecimento ao Governo em relação a esta matéria. “O que nós queremos saber é se o Governo tem alguma informação relevante a dar e sobretudo se vai continuar com uma posição passiva como até agora. Na última interpelação que fizemos, o ministro do ambiente disse que nada iria fazer para o encerramento da central, daí querermos apurar se o Governo manterá essa posição”.

As questões ao Executivo de António Costa serão colocadas na Comissão de Ambiente agendada para a próxima segunda-feira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.