|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​PCP solidário com MPLA no congresso de Luanda

18 ago, 2016 - 13:51

Declaração de dirigente comunista foi fortemente aplaudida pelos mais de 2.500 congressistas.

A+ / A-

O dirigente do Partido Comunista Português (PCP) Rui Fernandes reiterou esta quinta-feira a solidariedade do partido com o MPLA, partido no poder em Angola, na defesa da soberania e integridade territorial do país.

A posição foi transmitida numa declaração do partido português no VII congresso ordinário do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), que decorre em Luanda até sábado, e que foi fortemente aplaudida pelos mais de 2.500 congressistas.

Rui Fernandes recordou que o PCP apoiou sempre a unidade e independência de Angola, a paz e os direitos e progresso social do povo angolano.

"Rejeitando operações de desestabilização contra Angola e o seu povo, considerando que cabe ao povo angolano decidir soberanamente o seu presente e futuro, liberto de quaisquer ingerências externas", apontou.

O dirigente comunista transmitiu o desejo que o VII congresso do MPLA represente um contributo para a construção de um futuro melhor e a concretização das aspirações do povo angolano.

"Expressamos o desejo de prosseguir e desenvolver as relações históricas que unem os nossos dois partidos e contribuir para o estreitamento dos laços de amizade e de cooperação entre Portugal e Angola e entre os dois povos", frisou.

Rui Fernandes lembrou ainda que o povo angolano contou sempre com a solidariedade do PCP "na sua luta pelo fim do colonialismo português pelo fim da agressão do 'apartheid' da África do Sul, pelo fim da ingerência do imperialismo e da acção criminosa da UNITA, pela conquista da paz e pela reconstrução do seu país".

Segundo Rui Fernandes, em Portugal o PCP prossegue a sua luta em defesa dos direitos dos trabalhadores e do povo português, da soberania e independência nacionais por uma efectiva ruptura com a política direita e por uma alternativa patriótica e de esquerda, que abra caminho para uma democracia avançada que afirma os valores da revolução de Abril, no futuro de Portugal e aponte como perspectiva o socialismo.

No final, o dirigente do PCP ofereceu ao MPLA um documento clandestino daquela força política portuguesa, de Março de 1961, contra a guerra colonial do regime fascista português e de solidariedade com a luta de libertação do povo angolano.

Ao VII congresso do MPLA estão ainda representantes, de Portugal, dos partidos PS, PSD e do CDS-PP.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • fanã
    19 ago, 2016 aveiro 18:58
    Estes Srs . Pulhiticos da nossa aldeia Europeia , de cravo ao peito todos os 25 Abril , comemorando a queda da ditadura em Portugal, não se incomodam de dar apoio a um Ditador ......................................é obra !!!!!!!
  • Mário Guimarães
    19 ago, 2016 Lisboa 11:23
    Os do PCP eram contra a PIDE mas não contra a DISA? Não sei se percebem bem ? Qual independência ? A entrega feita por traidores à América e Rússia ?
  • Dias
    18 ago, 2016 Lx 20:11
    Não compreendo a participação dos partidos PS, CDS, PSD neste congresso (pois já sabemos o que a casa gasta)agora o PCP dito partido das liberdades apoiar o que de pior há em política que são as ditaduras, só é compreensível derivado ao pior que há em politica CORRUPÇÃO, o PCP vende-se tal e qual os outros. Quando o MPLA sair do poder e Angola for governada por um partido democrático, quero ver as desculpa que os nossos políticos vão dar.
  • Mario Morais
    18 ago, 2016 Portugal 15:03
    Não se podia esperar outra coisa deste PCP decadente e cumplicie das atrocidades que se passam. Notasse uma forte ignorância deste Rui Fernandes da realidade Angolana, critica a Unita e tem total desconhecimento que o primeiro movimento de libertação de Angola foi a UPA que mais tarde tornou-se na FNLA o MPLA surgiu muito depois que por total ignorância desconhecimento nem menciona. A gente que não sabe quando devia era estar calado.
  • MATIAS MATEUS
    18 ago, 2016 LUANDA-ANGOLA 14:16
    Esperemos que apos o discurso do Arquiteto da Paz tenha-mos dias melhores para todo povo Angolano
  • dr Xico
    18 ago, 2016 Lisboa 14:13
    Bem isto tá bonito tá , 1º o CDS, agora o PCP... temos casamento à vista, Crista/Jerónimo de braço dado na proxima festa do Avante, depois até ás ocupações da Reforma agrária é um pequeno passo. Faltava o BE querer casar Catarina Martins com um bispo do Vaticano.... OLHAAA VAI ALI UM PORCO DE BICICLETA...