|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Angola. MPLA dá início ao “congresso da normalidade”

17 ago, 2016 - 10:44

Com o país a enfrentar uma onda de contestação, não são esperados anúncios de substituição na liderança do partido. Paulo Portas é um dos convidados do congresso.

A+ / A-

Arranca esta quarta-feira, em Angola, o congresso do MPLA, que vai reeleger José Eduardo dos Santos para mais um mandato à frente do partido no poder.

A lista para o comité central é única. Eduardo dos Santos não tem opositores e também não se espera que fale em sucessores.

“Este congresso vai ser para fazer o menos ondas possíveis. Antes de 2018 não deverá haver referências claras sobre substituições do Presidente Eduardo dos Santos”, afirma à Renascença o especialista em assuntos africanos António Pacheco.

“O comité central do MPLA tem 320 elementos e, se de facto fosse tempo de grandes mudanças, seria reestruturado, mas vai ser é aumentado. Quem está mantém-se e o número de elementos passa para 360”, adianta.

Os novos membros são jovens, mulheres – “dar uma de politicamente correcto” – e dois filhos do Presidente: José Filomeno dos Santos (conhecido como “Zenú”) e Welwistchea dos Santos (conhecida como “Tchizé”).

Num altura em que “existe em Angola uma onda de contestação muito grande em vários campos”, religioso e financeiro (“com o FMI à perna”), não será tempo para apresentar substitutos ou “referências que possam ensombrar o peso e o prestígio que José Eduardo dos Santos ainda vai tendo”.

“O Presidente é homem de não fazer muitas ondas e, perante a contestação que existe, vêm aí tempos muito difíceis para o regime. Por isso, este congresso vai tentar ser o congresso da normalidade”, conclui António Pacheco.

O congresso do MPLA vai contar com representantes de partidos portugueses, entre os quais Paulo Portas, pelo CDS-PP. De fora fica o Bloco de Esquerda, que não se faz representar por uma questão de coerência.

Para assinalar a abertura do congresso, os activistas angolanos que estiveram presos por alegadamente conspirarem contra o Governo vão dar uma conferência de imprensa sobre o respeito pelos direitos humanos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mafurra
    17 ago, 2016 Lisboa 12:37
    Aproveito para dar os PARABÉNS ao BE. Nunca fui Bloquista, não era agora que ia mudar, mas enojam-me os que se curvam, os que lambem as solas dos que espezinham o seu próprio povo...
  • José Saraiva
    17 ago, 2016 Viseu 12:36
    "normalidade" é o mesmo que acatar as ordens do" soba da tabanca"...