Tempo
|
Três por Todos - Assista ao direto Três por Todos - Participe nos leilões
Tudo sobre o EURO 2020 Últimas Notícias
Tudo sobre o EURO 2020 Últimas Notícias
A+ / A-

Portugal Campeão Europeu

Chapada de luva branca? Não. Um murro na história

10 jul, 2016 - 23:00 • José Pedro Pinto

Portugal 1-0 França (após prolongamento). A mais dourada página do futebol português teve um sabor intenso e inolvidável. Guardado estava o bocado para Éder, que calou os críticos e, com Ronaldo a "saltar de forma precoce da final devido a lesão, assumiu o peso de toda uma nação às costas.

A+ / A-

Mas aquilo foi uma chapada de luva branca? Não. Foi muito mais do que isso. Uma dessas é apenas uma resposta delicada, apropriada a uma ofensa. O que Éder fez atinge muitos mais âmbitos. É estratosférico. É atrevimento que se transforma em arte pura. É a frieza de quem acredita e não desarma. É a maneira de alguém dizer "presente" como nunca ninguém o havia feito numa final.

O maior feito da história do futebol português assume honras de película cinematográfica, de peça de teatro, de conto de fadas. Nestas categorias todas, o momento único, inolvidável, que perdurará para a eternidade, foi alcançado pelo herói improvável.

O actor predestinado a decidir o final e o final, esse, foi arrumado cedo do jogo, por um Payet certamente instruído para destruir o joelho do novo campeão da Europa. O jogo nem chegou a começar para Cristiano Ronaldo. Saiu antes do intervalo, com lágrimas e com um país a baixar a cabeça, incrédulo quanto ao sucesso que acabaria, então, por ocorrer.

Mas não fez mal. Com o capitão por terra, a equipa das quinas cerrou fileiras, enrijeceu os punhos e uniu-se em torno de um objectivo que, para além de uma vingança contra a história favorável aos gauleses, era também, uma maneira de vingar o que ao CR7 os "bleus" haviam feito.

Na baliza, Rui Patrício revelou-se intransponível. Impossível não o considerar o melhor guarda-redes do Europeu. Na defesa, Pepe regressou fresco, após lesão e liderou os destinos sem Ronaldo em campo. No banco, Fernando Santos deu - agora sim - a tal chapada de luva branca com mudanças dignas de um mestre da táctica.

Quaresma entrou para dar "explosão" aos duelos em 1x1 com a equipa de Deschamps. Moutinho foi lançado para refrescar o meio-campo e dar mais capacidade de transporte. Éder, esse, entrou para decidir. Não se atemorizou, não sentiu a pressão dos largos milhões que dele desconfiaram, por certo.

Já no prolongamento e depois de Nani ter permitido a Lloris uma defesa do outro mundo, o luso-guineense captou o esférico no lado esquerdo do ataque, avançou para a zona central e, perante a incredulidade da defesa francesa, que nunca quis acreditar que ele iria disparar à baliza a mais de 20 metros de distância, ficou estática.

A fotografia, a "chapa", foi bonita. Lloris bem se esticou, mas o esférico levava selo de golo.

Doze anos depois, as lágrimas que Ronaldo começou por brotar foram de raiva e injustiça. Doze anos depois, as lágrimas que todos libertaram após o apito final do árbitro foram de quem ainda não acreditava que o sonho se tinha tornado realidade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Alda silva
    11 jul, 2016 Thetford inglaterra 00:32
    Sim um murro com uma bola nos pes magnifico

Destaques V+