Tempo
|
A+ / A-

Marcelo aprova desblindagem do BPI

18 abr, 2016 - 13:13

Presidente da República fundamenta a promulgação do diploma tendo em conta "o interesse nacional".

A+ / A-

O Presidente da República aprovou esta segunda-feira a lei que vai permitir desblindar os estatutos do BPI.

Marcelo Rebelo de Sousa justifica a aprovação “atendendo à razão de ser do diploma, em particular o reforço da solidez do sistema financeiro, ao facto de corresponder a solução defendida pelas duas entidades reguladoras, a ter mediado entre a última pronúncia destas e a concretização da presente iniciativa legislativa tempo suficiente para não interferir em eventual operação em curso, e à circunstância de só entrar em vigor em 1 de Julho e a deliberação das assembleias gerais poder ocorrer até 31 de Dezembro”.

"O Presidente da República, tendo presente o interesse nacional, acabou de promulgar o Decreto-lei que procede à 41ª alteração do Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras, aprovado pelo Decreto-Lei nº 298/92, de 31 de Dezembro, visando conferir aos accionistas de instituições de crédito a possibilidade de reavaliarem periodicamente a justificação dos limites estatutários em matéria de detenção e exercício dos direitos de voto", refere a nota.

Na nota, refere-se que o diploma foi promulgado, entre outros motivos, por ter "mediado entre a última pronúncia" das entidades reguladoras e a "concretização da presente iniciativa legislativa tempo suficiente para não interferir em eventual operação em curso".

O primeiro-ministro confirmou esta segunda-feira que o Governo aprovou um diploma que prevê a revisão das restrições dos direitos de voto nas instituições financeiras e disse esperar que a supervisão europeia compreenda que o BPI reduzirá brevemente a exposição a Angola.

Após um encontro com o seu homologo francês, em Paris, Costa explicou que em causa não está um diploma feito apenas para a situação do BPI.

"Há cerca de oito instituições financeiras em Portugal que têm estatutos com restrição dos direitos de voto e aprovámos efectivamente na quinta-feira passada um diploma que prevê regularmente que os accionistas tenham que rever a manutenção dessas restrições", disse.

[notícia actualizada às 13h58]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Paulo
    18 abr, 2016 Judá 21:39
    O diabo aproxima - se do anjo. Sabe fingir ser seu amigo, mas não o é . A sua aproximação do anjo é de carácter tendencioso. O demónio tenta transformar o anjo também em diabo. O anjo finge que é inocente, mas não é. O anjo está em alerta permanente. Não toma refeições oferecidas pelo diabo, benzidas com rituais satânicos. O anjo é cauteloso. Vai ajudar o diabo , e o seu bando de malfeitores, a caminhar. Dias virão em que a serpente , cansada e sem álibi , vai cair por terra. O Adão vai abrir os olhos . A Eva velha está silenciosa e silenciosa ficará. Está a nascer uma nova Eva . É essa nova Eva que vai calcar a cabeça das futuras serpentes . Os odres velhos vão ser substituídos por cubas brindadas. Boa noite.