RR
|
A+ / A-

CDS. Nuno Melo e Adolfo Mesquita Nunes na equipa de Assunção Cristas

12 mar, 2016 - 17:02

Equipa directiva do CDS vai ter menos vice-presidentes.

A+ / A-

A equipa da nova líder do CDS, Assunção Cristas, vai contar com Nuno Melo, como número 2, e também com Adolfo Mesquita Nunes, ex-secretário do Turismo.

Fontes do CDS disseram à Renascença que Cecília Meireles, que ocupou o mesmo cargo e é actualmente deputada, e Nuno Magalhães, líder parlamentar, este último por inerência, também vão fazer parte da direcção do CDS.

Diogo Feio, que tem uma moção de estratégia global alternativa à da candidata à liderança, vai - segundo anunciou Assunção Cristas - dirigir o gabinete de estudos.

Já Lobo Xavier vai ser "número 1" do Conselho Nacional, Pedro Morais Soares vai ser o novo secretário-geral e Telmo Correia vai liderar o Conselho Nacional.

João Almeida regressa para ser porta-voz do partido.

O XXVI congresso do CDS decorre em Gondomar.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Santos
    13 mar, 2016 Agueda 22:11
    Cristas/Melo são dois novatos que querem cantar de galo, com meia dúzia de votos do eleitorado, se não estivessem coligados nas ultimas legislativas teriam desaparecido da cena eleitoral. Duvidas!
  • Pinto
    12 mar, 2016 Custoias 19:36
    O que fez esta gente na vida? Não passam de uns lacaios ao serviço do grande patronato e de interesses privados.
  • Pinto
    12 mar, 2016 Custoias 19:15
    CDS, célula do PSD fez tudo para servir o sector da direita, hoje o poder da direita está direccionado para retirar direitos e empobrecer os cidadãos comuns.