Tempo
|
A+ / A-

Reportagem

Dentro do Cerco. Que bairro é este que Marcelo vai visitar

10 mar, 2016 - 16:13 • André Rodrigues , Marília Freitas

Dentro do Cerco, a realidade é a de quem lá vive. Um bairro singular fechado em si próprio, um território à parte dentro do Porto.

A+ / A-
Dentro do Cerco. Que bairro é este que Marcelo vai visitar
Veja a reportagem vídeo

É no centro de dia que vários idosos do Bairro do Cerco passam o tempo. Dias inteiros em quadraturas de sueca e dominó, olhares quantas vezes inexpressivos pregados no entretenimento vespertino das televisões. Muitos sentem que a vida já deu o que tinha a dar, que tentam resgatar ao tempo os dias em que que o Cerco era um lugar bom para viver.

Dizem que a vizinhança já não é o que era. Para Rosa Maria Seabra, directora do centro do dia, a própria Câmara do Porto não está isenta de responsabilidades na dissolução destes laços. Pessoas de diferentes pontos da cidade, com hábitos e identidades distintas, foram despejadas no mesmo bairro.

O centro de dia é o reduto seguro de quem procura a tranquilidade tantas vezes perturbada pelo tráfico de droga e pelos roubos, pelas rixas e tiroteios, pelas operações policiais. Os receios aumentam quando o dia se faz noite.

O rap contra o preconceito

É pela música que o Cerco chega a quem quer saber do bairro. OUPA!, uma residência artística promovida pela Câmara do Porto, quer ser também um projecto de integração.

O projecto, que conta com a "rapper" Capicua e o André Tentugal (We Trust), utiliza a irreverência do hip-hop para promover a cultura de bairro e o sentimento de pertença. As letras das músicas criadas pelos jovens do projecto não escondem os problemas, nem a falta de perspectivas.

Do Cerco para Belém. Um rap para Marcelo
Veja o rap improvisado para o Presidente Marcelo

Veja também: "Quem são os jovens do Cerco que vão actuar para Marcelo"





“Tenho fome, não jantei”

A educação ou a falta dela tem um peso decisivo na vida daqueles que um dia serão o futuro do bairro. No infantário da Obra Diocesana de Promoção Social do Porto multiplicam-se os casos de carência alimentar. A directora, Rosa Maria Seabra, diz que há frases que fazem soar o alarme. "Eu tenho fome, não jantei", dizem algumas crianças.

Noutro ponto do bairro, ao final da tarde, Alice Silva é a voz de comando para o aquecimento da turma de kickbox. O projecto, iniciado há dois anos pela Associação para o Desenvolvimento Comunitário do Cerco do Porto, venceu o prémio Pontes para o Futuro, da Câmara do Porto, e deu origem a uma academia de artes marciais.

Desde então, as mudanças nas crianças são evidentes. Saem da aula mais calmas e mais cientes dos limites do respeito: em relação à professora e a todos os intervenientes nas suas vidas.

A inclusão a partir do desporto é importante, mas não chega, diz Andrea Rocha, da Associação para o Desenvolvimento Comunitário do Cerco do Porto. As qualificações dos moradores do bairro são um exemplo bem ilustrativo. “Temos pessoas de 20, 25 anos que são analfabetas”, conta Andrea.

Dentro do Cerco diz-se que há duas hipóteses: habitar ou evitar. Os de lá já se habituaram ao rótulo de gente problemática. Os de fora nem lá entram, a menos que seja obrigatório. Mas aqui tudo pode ser, afinal, tão semelhante ao que se vê e ao que acontece fora do bairro.

Esta sexta-feira, Marcelo Rebelo de Sousa torna-se o primeiro chefe do Estado a visitar o bairro. É o primeiro acto público do novo chefe do Estado fora de Lisboa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • anibal martins
    12 mar, 2016 65 ballymonde road 17:52
    Os cavalos continuam na banheira
  • aventino macieira
    11 mar, 2016 rio tinto 14:27
    vi num cartaz, na faculdade de desporto, que precisavam de pessoas para integrar este projeto, pessoas que praticam ou praticaram artes marciais. Eu sou praticante e neste momento dou aulas, dou defesa pessoal, sou representante em Portugal pelas artes marciais Kaisendo, sou 1º Dan Kenpo, 1º Dan de Kaisendo, caso estejam interessados, poderão comunicar. Desde já o meu obrigado Macieira, 917711539
  • rosinda
    10 mar, 2016 palmela 23:44
    o porto tambem merece ser visitado mas o presidente deve andar cansado!

Destaques V+