|
A+ / A-

Empresários cristãos devem tratar trabalhadores como família, diz patriarca

05 nov, 2015 - 18:43 • Paulo Ribeiro Pinto

Num encontro com membros da ACEGE, D. Manuel Clemente recorda que aquilo que não se aprende na família dificilmente se aprende num compêndio.

A+ / A-

O patriarca de Lisboa lembra aos gestores que os trabalhadores das empresas devem ser tratados como família.

Esta tarde num encontro da Associação Cristã de Empresários e Gestores (ACEGE) D. Manuel Clemente esclareceu algumas questões discutidas durante do sínodo dos bispos sobre a Família. O patriarca explicou a importância que o Papa Francisco tem dedicado a este tema e o papel central da família na sociedade.

Para D. Manuel Clemente, a convocação deste sínodo revela a lógica do que está na base do pensamento do Papa, habituado ao longo de décadas a lidar com milhares de deslocados na América Latina.

Porque o núcleo das sociedades é a própria família, encarada como laboratório da vida em comunidade, diz o D. Manuel: “Quando [o Papa] incita as comunidades cristãs levarem isto a sério para serem, como diz o Evangelho, fermento na massa, provocarem um bom contágio nas outras realidades sociais, confessionais ou não, é porque está completamente convencido que para reestruturar uma comunidade temos de começar por onde se aprende, porque quando não se aprende isso na família, é muito difícil aprender num compêndio”.

Este é um conceito que para o cardeal deve ser levado também para a gestão das empresas. “Cada empresário cristão, onde estiver e em tudo quanto possa, olhe para aquele homem e para aquela mulher não como uma peça isolada e como mais ou menos recursos humanos, mas naquela humanidade relacional que eles têm e mantêm.”

“Isto tem implicações, como todos sabem, que nunca mais acabam, com essas famosas leis de mercado e da competição tão inexoráveis, mas onde não podemos falhar.”

D. Manuel Clemente explicou que aguarda ainda as orientações do Papa Francisco sobre as conclusões do sínodo sobre a Família.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • anonimo
    06 nov, 2015 lisboa 10:13
    axo uma piada estas tiradas... basta ver o ambiente familiar que se vive nas instituições da igreja e os baixos salários praticados. enfim... fariseus