A+ / A-
Liga

Só três árbitros não pediram dispensa dos jogos do fim-de-semana

22 nov, 2017 - 09:23

Os árbitros alegam falta de condições psicológicas para apitar. Nenhum dos árbitros assistentes mostrou disponibilidade para as próximas jornadas dos campeonatos profissionais.
A+ / A-

Apenas três árbitros de um quadro de 76 não pediram dispensa ao Conselho de Arbitragem dos jogos do próximo fim-de-semana da 12ª jornada da I Liga e da 14ª jornada da II Liga. Ao que a Renascença apurou são três árbitros principais de primeira categoria os únicos a manter disponibilidade para apitar, num universo de 22.

Todos os 44 assistentes e os dez estagiários solicitaram escusa, alegando falta de condições psicológicas. Está é uma reacção dos árbitros ao ambiente de tensão e de troca de acusações, nomeadamente de responsáveis dos três grandes, que os envolvem em esquemas de corrupção.

Os juízes estão agastados com as constantes polémicas e avançam com esta tomada de posição. Não se trata de uma greve, mas de pedidos de dispensa, alegando indisponibilidade para dirigir jogos das competições profissionais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Nhecos
    22 nov, 2017 Nhecolandia 22:13
    Os padres, bem que poderiam ir pregar para a Nhecolandia. Arbitros estrangeiros, já! Os clubes a sério, que gostam de jogar com regras iguais, é que deviam fazer greve a estes padres e "consagrados" a fazer fretes.
  • gonçalves
    22 nov, 2017 suisse 16:53
    nao vai mudar nada com esta greve,tudo vai continuar igual ou pior.Tanto federaçao como a liga sao os grandes responsaveis pelo que esta a contecer.estes castigam jogadores pelas imagens,e nada fazem quando os àrbitos erram e sempre para o mesmo lado, vejam os jogos do fcp e scp e slb e vejam as diferenças das atitudes da arbitragem.Tanto a federaçao como a liga nao deviam ficar ofendidos com revelaçoes de corrupçao e antes agir.Todos vê que a àrbitos apitarem com medo,à outros que se vedem para subirem na classificaçao.outros desceram porque nao abriram as pernas, intimidar,vandalizar,ameaçar,visita ao centro de estàgio dos àrbitos,esta tudo contaminado.A federaçao e a liga desde a primeira hora que nao fizeram nada,a àrbitos que tem familia.e nao era os àrbitos a tomarem atitude de nao apitarem.mas sim a federaçao e a liga que deviam de suspender o campeonato.Agora nao sei quem è o mais culpado os corruptos os corrompidos ou os observadores (federaçao,liga)
  • José Armando
    22 nov, 2017 Leiria (distrito) 15:30
    2017, Novembro, os árbitros são a chave para que o futebol português comece a ser menos infecto. Sem eles, claro que pode haver jogos, assim o comprovam os regulamentos da arbitragem feitos pelos clubes. Risível, não é? Os batoteiros a fazerem os regulamentos da arbitragem? Só em Portugal, isto é, no terceiro mundo. Há anos que defendo que deveria existir um colégio arbitral, independente dos clubes e federação e dirigido por um juiz - por exemplo, Abrantes Mendes, a cor não me incomoda - e criado um colégio para recrutamento e formação inicial de jovens candidatos, com delegações distritais, competindo ao colégio nacional - e só a este - a decisão de quem está ou não, pronto para subir de categoria e assumir responsabilidades crescentes até ao topo. E o custo de uma estrutura destas não deve ultrapassar os dois/três milhões ano e o financiamento feito pelo orçamento de estado, sem cedências a demagogias, é que o futebol é, para o estado um negócio que rende mais impostos líquidos e mais empregos que a porcaria das florestas de eucaliptos, por exemplo. As propostas dos clubes são treta, já nascem mortas ou infetadas. Portanto resta a realidade de os árbitros quererem ou não ser o poder no futebol português, quem muda as fraldas a dirigentes incompetentes e corruptos, os clubes parecem não ser capazes de produzir outra coisa, talvez porque a maioria dos seus adeptos são igualmente corruptos.
  • 22 nov, 2017 12:39
    Eu julgava que joaquim chissano era mais velho mas afinal ainda e jovem!
  • jose Guilherme
    22 nov, 2017 lisboa 10:12
    Tem roda RAZAO depois de andar a anos a proteger o "MANTO VERMELHO " vem a agora o carnide dizer mal deles !!!!
  • SEVERINO BARROS
    22 nov, 2017 PORTIMÃO 09:47
    A maioria dos árbitros são adeptos do Benfica, senão não tinham subido á 1ª.categoria, são os famosos padres dos emails, e como tal, não fazem falta nenhuma ao desporto nacional, só o sujam e adulteram, podiam pedir dispensa definitiva, assim podiam aparecer novos árbitros que não fossem corruptos nem estivessem controlados e dominados pelo SLB, como acontece atualmente com a maioria.