O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
visto de bruxelas

​Procura-se: soluções para o desemprego

17 nov, 2017 - 15:19

No Visto de Bruxelas de hoje, atenções centradas em Gotemburgo, na Suécia, onde os líderes dos 27 se reúnem numa cimeira para debater matérias como o emprego ou as desigualdades sociais. Espaço ainda para o Conselho Europeu dos Negócios Estrangeiros e a situação política na Alemanha.
A+ / A-
Visto de Bruxelas 17-11-2017
Visto de Bruxelas 17-11-2017

A agenda europeia fica marcada hoje pela Cimeira Social que junta em Gotemburgo os líderes europeus e os parceiros sociais para relançar a Europa Social. Entre as prioridades estão o crescimento económico e a criação de emprego. Os líderes europeus proclamam que vão apostar em 20 princípios e direitos para reforçar a dimensão social da construção europeia, um programa que abrange diversas áreas como o salário mínimo, emprego de qualidade ou a protecção social. O presidente da Comissão Europeia pede agora que se apresentem resultados nesta área.

Resta agora verificar se os governos vão dar seguimento a estes compromissos e promessas de uma Europa mais social, de alguma forma esquecida. Para se ter uma ideia, esta é primeira Cimeira Social dos últimos 20 anos na União Europeia. E das propostas já apresentadas nesta área pela Comissão Juncker ainda nem metade foram aprovadas.

Nesta edição fez-se também o balanço do Conselho Europeu dos Negócios Estrangeiros, onde foi decidido o embargo de armas à Venezuela e onde foi também discutido o reforço da cooperação ao nível da defesa. No caso das sanções, trata-se de medidas específicas que não abrangem o povo venezuelano, segundo afirma o ministro dos Negócios Estrangeiros Augusto Santos Silva. Preocupados com a situação no país, os 28 pedem ao Governo de Nicolás Maduro para restabelecer urgentemente a legalidade democrática.

Também esta semana, os 23 Estados-membros deram um passo decisivo na área da defesa europeia assinando o compromisso de reforçar a cooperação através do desenvolvimento de capacidades conjuntas ou de projectos partilhados. O Governo português é um dos cinco que ainda não assinaram a notificação que lança esta cooperação na defesa europeia mas promete aderir até 11 de Dezembro, altura em que esta cooperação será formalmente aprovada.

E olhamos, ainda, para a situação política na Alemanha: Angela Merkel enfrenta divergências profundas que põem em risco um acordo para formar Governo.

Como habitualmente, os assuntos deste Visto de Bruxelas são analisados pelo comentador residente da Renascença para os assuntos europeus, Francisco Sarsfield Cabral.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.