|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Um minuto, 12 litros. Campanha para uso cuidadoso da água lançada nos jornais

07 nov, 2017 - 09:02

Outubro foi o mês mais seco dos últimos 20 anos em Portugal. O país encontra-se em seca severa (24,8% do território) e extrema (75,2%).

A+ / A-

Veja também:


"Um minuto da sua atenção" – é assim que começa o anúncio que começa a ser publicado esta esta terça-feira na imprensa a apelar à poupança de água.

“Uma torneira aberta durante um minuto pode gastar 12 litros de água”, lê-se no anúncio, onde se recorda ainda que, segundo as Nações Unidas, “um ser humano precisa de 110 litros de água por dia”.

A campanha é uma iniciativa conjunta do Governo, da Águas e Portugal, da Agência Portuguesa do Ambiente e da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR).

"Fechando a torneira 1 minuto poupamos 12 litros de água. Se todos o fizermos, poupamos 120 milhões de litros por minuto" – um valor "suficiente para garantir as necessidades básicas de um milhão de portugueses", destaca a campanha.

"Não controlamos o tempo que faz, mas podemos controlar o que fazemos com o tempo", alerta-se ainda.

O mês de Outubro foi o mais seco dos últimos 20 anos, com 30% da precipitação normal para a época, segundo os dados do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

No final do mês, todo o território de Portugal continental encontrava-se em situação de seca severa (24,8%) e extrema (75,2%).

"Não é por chover dois ou três dias que a situação se vai inverter"

A seca extrema em Portugal está a prejudicar culturas e pasto para animais, com produtores de diversos sectores a falarem em "calamidade" e a reclamarem do Governo ajudas extraordinárias para fazer face aos prejuízos.

Na semana passada, numa conferência de imprensa conjunto dos ministros do Ambiente e da Agricultura, foi lançado o alerta para a gravidade da situação de seca que afecta o país, com o ministro João Matos Fernandes a apelar aos portugueses para fazerem "uso parcimonioso" da água e às autarquias para limitarem o uso de água em lavagens de ruas e regas a situações inadiáveis.

"Não é por chover dois ou três dias que a situação se vai inverter", salientou, anunciando o lançamento de uma campanha na comunicação social para promover o uso cuidadoso da água por toda a população.

Na altura, o responsável pela pasta do Ambiente apontou o exemplo do município de Nelas, que encerrou as suas piscinas, como seguidor de "uma orientação que é para todo o país" e que está a ser "assumida pelas autarquias".

"Quanto mais se agravar [a seca] mais essas medidas terão de ser assumidas", admitiu João Matos Fernandes.

A primeira prioridade na poupança de água é reservá-la para o consumo humano, indicou o responsável, afirmando que nos últimos lugares de prioridade estão a rega de jardins, o enchimento de piscinas e o funcionamento de fontes ornamentais.

Quer Portugal quer Espanha estão a cumprir os valores mínimos de caudais exigidos a ambos os países na gestão de rios internacionais, como o Tejo.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • carls
    17 nov, 2017 Aveiro 18:40
    com tantos a meter água a seca é extrema, extrema direita ou esquerda?
  • Augusto Saraiva
    13 nov, 2017 Maia 18:16
    Que espera o governo para proibir a lavagem de carros e a rega de campos de golfe e jardins?!...
  • Nina
    08 nov, 2017 Lisboa 14:29
    Bem não se pode ter tudo sem medir os impactos.Portugal tem hoje uma população maior embora em regressão , aumentaram os gastos na higiene,na agricultura ,nos jardins públicos e privados,nas empresas ,nos passeios , estradas,turismo etc.Tudo tem o seu peso e medida sem estudos prévios para conhecer os limites nas varias áreas e pensar em outras alternativas como aproveitamento d todas aguas pluviais,agua do mar,tecnologia q permita consumos menores na utilização normal ou alternativas n resolvemos nada .Temos q acrescentar soluções para acrescentar agua á q possuímos e já vamos tarde.Soluçoes já existem em zonas deserticas do planeta,a roda já está inventada .o que esperamos?
  • Maria Auxiliadora
    07 nov, 2017 mensajesdelbuenpastorenoc.org 13:47
    Mensagem de apelo urgente de Maria Auxiliadora aos líderes e moradores da TERRA 29 /1/ 2017 Meus filhos: a água está a esgotar-se devido aos abusos que estão a causar aos ecossistemas. Estes abusos irão provocar dias de fome e escassez. Em muitas nações os seus habitantes morrerão de fome e sede. Não desperdiceis água, porque as bacias dos rios estão a secar, assim como suas fontes. Os ecossistemas terrestres e aquáticos são os pulmões da terra. A destruição da floresta e a poluição estão a provocar o aquecimento. As calotes polares estão a fundir-se devido ao aumento da temperatura, o que implica graves consequências para a criação. O clima é controlado pela poluição ambiental e pelo aquecimento global. Isso trará a vós fome e seca. O lado destrutivo do homem está a destruir os ecossistemas. Muitas espécies de fauna e flora estão em perigo; a atmosfera está a enfraquecer e vai chegar o momento em que os raios do sol tornarão inabitáveis muitos lugares na terra. Os recursos naturais estão a esgotar-se. Faço um apelo urgente aos habitantes da terra e aos governantes para realizarem planos de reflorestamento e poupança de água e energia. Porque se continuarem a poluir e a desmatar, a terra se tornará num deserto. Governantes deste mundo, das vossas ações para com os ecossistemas dependerá a vida no planeta! Como Mãe da humanidade, eu estou a chamar os habitantes da terra para que não destruam mais recursos naturais e para que promulgar leis que favorecem a vida no planeta.
  • Filipe
    07 nov, 2017 évora 13:14
    O Estado gosta destas feiras de propaganda , mas não dá o exemplo ! É ver nas autarquias em Portugal a rega que utilizam para espaços verdes , mais parecem que andam a regar campos de arroz e quando chove nem a desligam . Basta mesmo ver ! Toneladas de água gastas por vezes a regar ervas e zonas que nem precisam e ser regadas todos os dias ...