A+ / A-

Centenário das aparições de Fátima custou dois milhões de euros

02 nov, 2017 - 13:24

O Santuário de Fátima revelou contas dos sete anos de preparação das iniciativas, que culminaram com a visita de Francisco, em Maio.
A+ / A-

O Santuário de Fátima anunciou esta quinta-feira que as comemorações do centenário das aparições de Fátima tiveram um custo de cerca de dois milhões de euros durante os sete anos de preparação das iniciativas.

O vice-reitor do Santuário de Fátima, Vítor Coutinho, revelou que os gastos directamente relacionados com a celebração do centenário em projectos e iniciativas foram de 1,5 milhões de euros. Já as despesas com a visita do Papa Francisco cifraram-se em 560 mil euros.

"Os valores que vão ser apresentados referem-se a um ciclo de sete anos, que teve início em Novembro de 2010 e que terminou em Outubro de 2017. Corresponde a todo o itinerário celebrativo, que incluiu mais de 150 iniciativas, algumas com maior visibilidade do que outras, com projectos que tiveram custos pontuais e outros que exigiram um financiamento dilatado no tempo", explicou Vítor Coutinho.

Segundo o vice-reitor, as opções tomadas tiveram em conta alguns critérios, nomeadamente "enriquecer o conjunto de propostas habituais do Santuário, abranger a diversidade de perfis e de interesses dos peregrinos e visitantes, e criar património que permanece como herança para as gerações futuras".

Vítor Coutinho acrescentou que o programa foi planeado tendo em conta "o objectivo maior de servir os peregrinos e visitantes do Santuário e de ir ao encontro dos inúmeros devotos e interessados em Fátima em todo o mundo".

Houve a preocupação de "criar condições de acolhimento, de diversificar as propostas de actividades e os apoios a todos os que passam por Fátima".

Durante estes sete anos, o Santuário manteve os seus apoios sociais em Portugal e no estrangeiro, no valor de 5,3 milhões de euros, e à Igreja em Portugal, a quem foi atribuído 4,9 milhões de euros.

Nestes custos "não se incluem algumas obras realizadas", como o novo Altar do Santuário e a restauração da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, precisou o reitor do Santuário, Carlos Cabecinhas, recusando divulgar os números, enquanto "uma série de questões de carácter tributário não estiverem devidamente esclarecidas".

Carlos Cabecinhas salientou, no entanto, que o Santuário presta contas, "sempre de forma transparente, a quem tem de o fazer, ao Conselho Nacional para o Santuário de Fátima".

Sobre os apoios sociais, o reitor sublinhou que os números têm aumentado, "sobretudo no contexto da crise".

"Já anteriormente, o Santuário tinha um elevado número de apoio com carácter social. Se tem havido agora um acréscimo neste donativo, tem a ver com a percepção de momentos difíceis que fomos passando e da necessidade do Santuário adequar a sua resposta à situação concreta em que vivemos", frisou.

70 milhões de peregrinos

Setenta milhões de pessoas visitaram o Santuário de Fátima nos sete anos que marcaram a preparação do centenário das Aparições, dos quais 50 milhões participaram em celebrações, anunciou o vice-reitor.

"O Santuário contabiliza apenas as pessoas em peregrinação, sendo que muitos milhares de pessoas vêm ao Santuário, fazem as suas devoções e não participam em nenhuma celebração. Fizemos um cálculo, que precisa ser ajustado, mas poderão ser 40% de pessoas que passam aqui e não vão a nenhuma celebração. Por isso, podemos falar com alguma segurança de 70 milhões de pessoas", adiantou Vítor Coutinho.

O reitor do Santuário, Carlos Cabecinhas, acrescentou que existe "a percepção de que, neste ciclo de sete anos, este ano de 2017 foi, sem dúvida, o ano com mais peregrinos".

Segundo o reitor, este centenário "consolidou a internacionalização de Fátima e vem sublinhar a dimensão mundial de Fátima, quer como Santuário quer como mensagem".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Tapados
    03 nov, 2017 Aveiro 10:54
    Portanto: O investimento no Programa do Centenário das "Apariçõ€s" foi de 2 milhões de €uros. Mas, digam lá quanto é o investimento rendeu. Ou será que não convém que se saiba ? Porque muito provavelmente deve ter rendido mais de 1000%
  • ribeiro
    02 nov, 2017 genebra 16:00
    TENHO UMA IDEIA PARA O NOSSO PRESIDENTE QUE ME PARECE SER BOA PESSOA E QUE SERIA DE AOS DOMINGOS DE MANHÃ JUNTAMENTE COM O COSTA E RESTANTE COMITIVA FALHAR A MISSA DAS 10 E IR PLANTAR ARVORES. ISTO SERIA UM BOM EXEMPLO PARA O NOSSO POVO.
  • Prakasch RATILAL -
    02 nov, 2017 Bracara 15:55
    Se Portugal é multicultural, por isso, multireligioso. Assim os espertos deste país, que têm autorização para dizerem asneiradas, nestes casos deviam de falar daquilo que entendem. Se não fosse a Igreja, muita gente morria à fome. Homem, sê honesto, que até faz bem ao "ego".
  • 02 nov, 2017 14:23
    para ajuda às vítimas dos incendios ??????
  • Janeka
    02 nov, 2017 olhão 13:49
    Sim...???? E quanto é que rendeu ????
  • 02 nov, 2017 Lisboa 13:42
    Esta é a igreja dos pobres...olha se fosse dos ricos??