O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Portugal de negro e de luto. Já arderam mais de 350 mil hectares de floresta

17 out, 2017 - 06:49

País acorda com três mil operacionais em acções de rescaldo e com baixa de temperatura.
A+ / A-
Área ardida em Portugal durante o fim-de-semana em que morreram, segundo os dados mais actualizados, 36 pessoas. Dados recolhidos a 17/10/2017

O Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais (EFFIS, na sigla em inglês) revela esta terça-feira números que dão conta da dimensão que os fogos assumiram este ano em Portugal. Arderam 350.522 hectares desde Janeiro.

Trata-se de uma área equivalente a mais de 35 vezes o concelho de Lisboa e quatro vezes maior do que a área que ardeu em Espanha no mesmo período.

Na comparação com o total da União Europeia, ardeu em Portugal perto de metade da área consumida pelos fogos em toda a Europa a 25.

Só nos últimos dois dias, arderam em Portugal 81 mil hectares de floresta, de acordo com os dados mais actualizados.


O país da União Europeia que mais se aproxima de Portugal em área ardida é Itália, que apresenta um total de 133.526 hectares ardidos – menos de metade do território português.

Amanhecer sem chamas

O arrefecimento nocturno e a chuva deram uma ajuda aos bombeiros durante a noite e madrugada desta terça-feira e o resultado é um país sem incêndios preocupantes.


Veja também:


Os poucos casos apresentados no site da Autoridade Nacional de Protecção Civil estão em resolução, mas não preocupam. Segundo o comandante Paulo Santos, estão no terreno três mil operacionais a “efectuar acções de rescaldo nas zonas mais urbanas para permitir que fique tudo extinto”.

À Renascença, este responsável considera ser tempo de ficarmos “mais descansados, uma vez que este flagelo parece ter passado”.

“É tempo de este dispositivo enorme que temos no terreno poder voltar às suas unidades e ficar disponível para outras ocorrências”, acrescenta.

O balanço oficial dos incêndios de domingo (alguns dos quais só foram controlados na segunda-feira) aponta para 36 vítimas mortais e mais de 60 feridos, 16 dos quais em estado grave. Há ainda sete desaparecidos.

Quanto a estradas ainda cortadas na sequência dos incêndios, mantinham-se, às 7h00, a Estrada Nacional 309 (na zona de Espinho) e a Estrada Municipal 585 (junto à localidade de Longos, concelho de Guimarães), ambas no distrito de Braga. Pelas 9h00, já estavam todas circuláveis.

Esta terça-feira é o primeiro de três dias de luto decretados pelo Governo como forma de pesar e solidariedade pelas vítimas dos incêndios. No total, juntando os incêndios de Junho e os de domingo, morreram 100 pessoas. E o número pode ainda aumentar.

[Notícia actualizada às 9h30]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • AC
    17 out, 2017 Porto 13:33
    Pensar que os bombeiros, ou seja lá que entidade for, apaga fogos florestais é demagogia uma irrealidade instituída, uma presunção do ser humano que teimam em acreditar. Como é possível os bombeiros apagarem incêndios onde não se podem aproximar deles? É mais um hospital só com enfermeiros e auxiliares que a outra realidade que se teima em acreditar. Bombeiros podem ser aos milhares que pouca diferença fazia dada a sua fragilidade.
  • José Proença
    17 out, 2017 Castelo Branco 12:09
    É lamentável o que está a ocorrer no nosso País. É lamentável o aproveitamento politico que alguns partidos pretendem tirar desta situação; vergonhoso. O que está a acontecer é crime muito grave. Mas ninguém investiga as origens, que realmente provocam a situação, ou então as investigações não vêm a público, o que se respeita, se assim for. É muita coincidência haver tantos fogos em simultâneo em locais tão diferentes e com várias frentes no mesmo local. Isto é gente organizada e que tem objectivos. Quem manda sabe mandar e sabe o que queimar e onde queimar. Com tantas incidências em simultâneo há programação para estas situações. Espero que os responsáveis por esta destruição sejam identificados e exemplarmente penalizados, se fosse possível fazê-lo devidamente, o que duvido.
  • Maria
    17 out, 2017 Porto 11:53
    Já faltava o "chavão" de que a culpa era do anterior Governo!! Senhores, acordem! Para o ano há mais e o anterior Governo já vai longe... atrás de mim virá....
  • Zé Povinho
    17 out, 2017 Lisboa 11:43
    As alterações de fundo, demoram décadas. O atual governo não está isento de culpa mas, mesmo que tivesse começado reformas da florestal, não teria tempo de se ver resultado prático a não ser, eventualmente evitar não todas, mas alguns mortes, o que seria já um enorme avanço. Mas, não esquecer que já este sistema de prevenção e combate incêndios já vigora desde 2006 é no entretanto, já por lá passou um governo PSD/CDS é nada fizeram! Desde 2003 que são conhecidas as alterações necessárias para se fazer reformas da floresta, já por lá passaram 2 governos PSD/CDS e 2 governos PS, nada fizeram! Os que acusam o atual governo, têm memória curta. Todos os que governaram Portugal nas últimas duas décadas, têm igual culpa pelo que tem acontecido!
  • Bazilio
    17 out, 2017 Porto 11:32
    Não é possível culpar um ou outro, mas todos são tão responsáveis quanto o governo.
  • Paulo liborio
    17 out, 2017 London 11:24
    E simples copiem o modulo Americano ou Canadiano e Comprem ao Canada suficientes avioes tanques so assim acabam com esta palhacada.
  • Valter
    17 out, 2017 porto 11:14
    Se em comparação com a União Europeia só em Portugal ardeu quase metade da área total, isto dá muito que pensar. Tem de se rever todo os sistema desde a prevenção até às penas aplicadas com estes crimes de incêndio. Um país tão pequeno e com estas sucessivas desgraças tem de tomar medidas drásticas...
  • jose
    17 out, 2017 Águeda 11:07
    Lamentável um comentador dizer que o governo foi incapaz de resolver isto e aquilo e dizer que esta ministra e este governo são incapazes e tem de pedir desculpas ao pais , e os outros políticos que durante 30 anos nada fizeram será que não tem também de pedir perdão , e a população que vejo muitas vezes ao lado de uma casa um enorme aglomerado de silvas etc etc se pensarmos bem a muitos culpados eu não pois não tenho terrenos nem pinhais .
  • Luis Nogueira
    17 out, 2017 Lisboa 10:36
    Olá, Gostava de avançar com a criação de um movimento de indignação contra a constante desresponsabilização das entidades estatais É uma vergonha o que se está a passar neste país, Mortes e mais mortes, o património a ser delapidado pela incúria dos responsáveis, Para quem cumpre todos os deveres e responsabilidades perante o estado não pode permitir esta situação
  • Pilar
    17 out, 2017 Lisboa 10:09
    Os culpados andam por aí. Que fez o anterior governo? Houve prevenção? Andou o tempo todo a pensar como devia roubar o povo. Deixou tudo o que de pior fizeram para este governo.Não é hora de rolarem cabeças, deviam ter rolado no anterior governo e muitas. Os bancos, a Pt, A TAP. Derreteram dinheiro, para onde ninguém sabe. António Costa igual a si mesmo, cuidem-se......vai dar a volta por cima. Não há diabos que cheguem para ele. Nem má comunicação social, nem maus comentadores. O povo está triste mas a esperança não nos deixou.