A+ / A-

Eanes destaca "fidelidade aos valores do cristianismo" de D. Manuel Martins

25 set, 2017 - 12:57 • Sérgio Costa

O antigo Presidente da República sublinha que acção de D. Manuel Martins "não se limitou à palavra e ao testemunho desassombrado".
A+ / A-

O antigo Presidente da República Ramalho Eanes destaca a "fidelidade aos valores do cristianismo" revelada pelo bispo emérito de Setúbal, D. Manuel Martins, falecido no domingo.

"Recordo-o, sobretudo, enquanto bispo de Setúbal, qualidade em que eu bem o conheci. Esse conhecimento acabou por fazer com que sentisse por ele a maior consideração pela sua fidelidade aos valores do cristianismo", diz o general Eanes à Renascença.

"D. Manuel impressionou-me pelo vigor da palavra, pelo desassombro que punha na denúncia de injustiças sociais, à época gritantes no distrito de Setúbal e expressas na fome, na falta de trabalho, nos salários em atraso, no trabalho infantil e na falta da habitação", recorda.

Ramalho Eanes sublinha que acção de D. Manuel Martins "não se limitou à palavra e ao testemunho desassombrado", uma vez que "realizou uma obra notável de apoio aos mais desfavorecidos e teve uma acção dinamizadora das instituições da Igreja empenhadas no apoios aos mais desfavorecidos".

"Soube, na altura, que a sua porta estava sempre aberta" a quem tivesse problemas para expor, recorda o antigo Presdiente, destacando que a denúncia de D. Manuel de que havia fome no distrito de Setúbal foi "um grito de angústia" erradamente "sentido como um incómodo para poder político", porque "deveria ser tomado como um apelo para que o poder colaborasse com ele para resolver os problemas".

"Ainda se fecha muito os olhos ás situações de injustiça e, por isso, entendo que D. Manuel Martins, pela sua palavra e acção, é uma referência para a Igreja, para a sociedade civil e para os partidos e poder políticos."

Nestas declarações à Renascença, Ramalho Eanes revela que conversava "alguma vezes por ano, telefonicamente" com D. Manuel e, uma vez por ano, com a sua mulher e um dos filhos, almoçava como o bispo, "pelo Natal". Até ao fim, "D. Manuel impressionava-me, porque mantinha um vigor intelectual e uma preocupação enorme pelos acontecimentos públicos".


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vera
    26 set, 2017 Palmela 12:07
    "Ainda se fecha muito os olhos ás situações de injustiça e, por isso, entendo que D. Manuel Martins, pela sua palavra e acção, é uma referência para a Igreja, para a sociedade civil e para os partidos e poder políticos." Há tanto tempo que eu desejava ouvir uma frase como esta! tudo o que se faça numa igreja, "é uma referência..." palavras inteligentes, de um General e ex-presidente. Já agora, vai um apelo para os católicos: quando pedirem algo a Deus, ofereçam qualquer coisa em troca, nem que seja 50 cêntimos! se houver muitos 50 cêntimos, a paróquia pode ajudar alguns mais necessitados a terem pão. "Ajuda o teu próximo, como a ti próprio!" D. Manuel Martins, cumpriu o 'mandamento' enfrentando críticas de muitos! mas viveu o resto dos seus dias, tranquilo consigo próprio. Ele é realmente uma 'referência' para todos nós! O Bispo de Setúbal, vai ser recordado para sempre.
  • Mário João Castro
    25 set, 2017 São Mamede de Infesta 14:33
    Eis que outro potente farol de LUZ Divina e muita Sabedoria se apagou. Ficou o seu exemplo, reconhecimento e agradecimento pelo denunciar, em viva voz, das desigualdades e injustiças da sociedade moderna. Quando parte um artista fica a obra e que obra meu D E U S ! Exemplo que deverá envergonhar, nesta mesma semana de tanta agitação eleitoral, tantos e tantas, sendo chamado pelo Pai um daqueles que soube ser mais um de nós. Para o seu Eterno e merecidíssimo descanso, na Eterna gratidão de um matosinhense, Bem Haja D. Manuel Martins, pela cor do sangue do Corpo de Cristo com que pincelou Setúbal e todo o nosso amado Portugal! Até breve !!!