A+ / A-

D. Joaquim Mendes quer acabar com “privatização” do casamento

20 set, 2017 - 01:23

Presidente da Comissão Episcopal do Laicado e Família contra "sociedade de consumo que mina o matrimónio”.
A+ / A-

O presidente da Comissão Episcopal do Laicado e Família, D. Joaquim Mendes, quer acabar com o que diz ser a “privatização” do casamento.

À margem das jornadas nacionais da Pastoral Social, D. Joaquim Mendes disse à Renascença que as pessoas precisam de saber que casar pela Igreja pode ficar mais barato do que é habitual acontecer em Portugal.

“Temos o património privatizado. Nós temos de remover dois obstáculos: a tradição, a cultura que tem por trás a sociedade de consumo. Temos de desmontar isso e dizer que o matrimónio pode ser uma celebração no âmbito da comunidade muito mais bela, em que se celebra o amor.”

“Depois também encontro pessoas que não casaram, estão juntos, mas não sabem que podem celebrar o seu matrimónio de uma forma simples, sem despesas, envolvendo a comunidade cristã. Temos que desmontar esta privatização do matrimónio e esta sociedade de consumo que mina o matrimónio”, sublinha o presidente da Comissão Episcopal do Laicado e Família.

Este caminho pode ser feito através da Pastoral Juvenil, onde o bispo quer também ver mudanças.

“Não é uma Pastoral de Eventos, é uma Pastoral Juvenil de processos. Os eventos situam-se no caminho dos processos. Aqui também há uma conversão pastoral a fazer, porque nós fazemos muitas coisas bonitas com jovens, mas depois aquilo em que é que fica”, pergunta D. Joaquim Mendes.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.