O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Brasil. Polícia desaconselha passagem pela Rocinha

17 set, 2017 - 20:16

Estará a decorrer um tiroteio entre quadrilhas numa das favelas do Rio de Janeiro.
A+ / A-

A Polícia Militar do Rio do Janeiro emitiu um alerta desaconselhando a passagem pela favela da Rocinha, devido a um intenso tiroteio entre quadrilhas de criminosos que disputam pontos de venda de droga.

Os incidentes começaram na sexta-feira e terão resultado na morte de cinco pessoas. Neste domingo surgiram nos meios de comunicação do Rio de Janeiro relatos da morte de, pelo menos, mais uma pessoa.

"Conflitos entre traficantes de Rocinha. Evite a região", preveniu hoje a polícia militar do Rio na sua conta de Twitter.

Segundo relatos dos "media" locais, os habitantes da comunidade da Rocinha acordaram esta manhã com o som de um forte tiroteio, que se prolongou durante horas. A inquietação estendeu-se à zona sul da cidade, onde ficam situados alguns dos seus pontos turísticos mais conhecidos, como Copacabana, Ipanema, Leblon e São Conrado.

Nas redes sociais, muitos dos 70 mil habitantes da comunidade publicaram vídeos nos quais é possível ouvir o som dos disparos e ver homens armados que correm pelas ruas.

Diversos helicópteros das forças da ordem sobrevoam São Conrado, no sopé da Rocinha, junto à maior entrada na comunidade, onde em tempos existiu uma das maiores "bocas de fumo" (ponto de venda de drogas) do Rio de Janeiro.

A polícia acredita que os incidentes se devem a uma guerra entre quadrilhas pelo controle das "bocas de fumo". No Morro do Juramento, situado numa zona oposta da cidade, foram encontrados os corpos de cinco vítimas mortais após o tiroteio de sexta-feira.

Segundo o Instituto de Segurança Pública, o Rio registou neste semestre o nível mais alto de violência desde 2009, com 3.457 homicídios, um aumento de 15% em relação a igual período do ano passado.

O sentimento de insegurança é agravado pela situação catastrófica das finanças do Estado do Rio de Janeiro. À beira da falência, o Estado está a pagar o salário com meses de atraso aos funcionários públicos, nos quais se incluem os polícias.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.