O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Lisboa Soa na Estufa Fria até domingo

14 set, 2017 - 07:48

Programação inclui oficinas, instalações, performances e concertos.
A+ / A-

A Estufa Fria acolhe, entre quarta-feira e domingo, a segunda edição do Lisboa Soa - Encontro de Arte Sonora, Urbanismo e Cultura Auditiva, com uma programação que inclui oficinas, instalações, performances e concertos.

O Lisboa Soa arranca esta quinta-feira com a performance “Prática das Cordas”, de Adriana Sá e John Klima, que “combina cordas, longos arames esticados no espaço e sons pré-gravados numa homenagem lúdica à teoria das cordas, a mesmo que afirma que toda a matéria é formada por pequenos filamentos de energia, descrevendo como se propagam pelo espaço e interagem uns com os outros”.

Também para hoje está marcada a actuação da artista sonora e ‘designer’ ambiental inglesa Mileece, que será “a oportunidade de ver o jardim da Estufa Fria transformado em orquestra com os sons harmónicos que traduzem impulsos bioeléctricos aplicados às folhas das plantas”.

Na sexta-feira, a organização destaca a actuação dos norte-americanos Jen Reimer e Max Stein, que vão criar uma “experiência imersiva e física de som e espaço combinando trompa ao vivo e processada e gravações de campo com o ambiente sonoro do lugar da performance”.

A programação para sábado inclui a apresentação de “Motto”, concerto do argentino Juan Sorrentino, que é um resultado da oficina que irá dar no festival, e da eslovena AGAPEA aka [sigla para ‘also known as’, em português também conhecida como] Saša Spačal.

Em “Motto”, “os oito artistas/participantes terão mochilas de som, equipadas com microfones, que, amplificando os sons da Estufa Fria, irão transformar os passos, os ramos e o vento nas árvores em instrumentos”.

Já “Sonic close-up com grilos ao vivo Acheta Domesticus", de AGAPEA, é um “diálogo entre as pessoas, animais e tecnologia”.

No último dia, domingo, haverá “Fauna”, da Sonoscopia, uma “re-recriação feita a partir de uma estrutura electroacústica onde as fontes sonoras são distribuídas no espaço físico da Estufa Fria, cujas singularidades e particularidades acústicas e visuais atuam como elementos fulcrais no plano da composição e se transformam em matéria e forma musical”.

O Lisboa Soa, que decorre dentro da programação do Lisboa na Rua, decorreu pela primeira vez em 2016 no Jardim da Tapada das Necessidades, onde reuniu, de acordo com a organização, mais de seis mil pessoas, entre artistas e público.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.