A+ / A-

​Enfermeiros avançam para cinco dias de greve

25 ago, 2017 - 15:06

A decisão foi tomada depois do silêncio do Governo às propostas apresentadas pelos representantes dos profissionais de saúde.
A+ / A-

O Sindicato dos Enfermeiros vai avançar com um pré-aviso de greve de cinco dias. A paralisação vai ter lugar na segunda semana de Setembro, entre os dias 11 e 15.

A decisão foi tomada depois do silêncio do Governo às propostas apresentadas pelos representantes dos profissionais de saúde.

O pré-aviso de greve chega segunda-feira ao Ministério da Saúde, disse à Renascença José Azevedo do Sindicato dos Enfermeiros.

"Se esses cinco dias não derem, vamos para a greve por tempo indeterminado para permitir que haja sempre enfermeiros em greve", afirma José Azevedo.

Entre as principais reivindicações está a actualização da tabela salarial, com o aumento da remuneração dos enfermeiros de 1.200 euros para os 2.020 e dos enfermeiros especializados para os 2.400 euros.

Os enfermeiros especialistas em saúde materna e obstetrícia iniciaram na quinta-feira um protesto que pode afectar blocos de parto e maternidade.

Os enfermeiros decidiram parar as funções de especialistas pelas quais não são ainda remunerados por “falta de resposta política do Governo”, explicou Bruno Reis, porta-voz do movimento dos Enfermeiros Especialistas em Saúde Materna e Obstetrícia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Rocha
    12 set, 2017 Lisboa 10:38
    Bom dia Quando o que vemos na TV praticamente 24h/dia se resume a futebol e casa dos segredos (ou o programa mais recente "Love" qualquer coisa), em que se idolatra a nata da xunga (quanto mais tatuagens e menos vocabulário melhor) não há que estranhar que, perversamente, uma "classe" (que de classe está a demonstrar bem pouco) que, a toda a hora tem de se afirmar perante os seus complexos de inferioridade como "muito digna... indispensável ao funcionamento dos serviços... nós é que estamos ao lado dos doentes 24h por dia... os médicos sem nós não fazem nada LOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL ... os médicos ganham 87% dos salários dos funcionários da saúde (LOOOOOOOOOOOOOL ao quadrado... esta última só pode ser delírio coletivo!)" venha finalmente demonstrar o seu verdadeiro calibre perante o olhar do público. Sem qualquer pejo estão claramente a exigir muito mais do que o que foi concedido aos médicos. Hoje em dia um enfermeiro especialista ganha 1100€ líquidos por 35h semanais e um não especialista ganha os mesmos 1100€ líquidos por 40 horas semanais... um médico especialista ganha 1200€ por 35 horas semanais e um não especialista ganha 1200€ por 40 horas semanais... Isto, já de si, é vergonhoso... que um médico ganhe tão pouco mais... agora, que os enfermeiros queiram ficar a receber mais 1000€ que os médicos (que são os decisores, ao passo que os enfermeiros cumprem as indicações dos médicos sem serem responsabilizados por elas), só pode ser para rir... Ganhem juízo e humildade...
  • ecleto
    26 ago, 2017 londres 09:14
    Touradas sempre.Um país sem touros é um País sem Bravos .Como são obtidas as especialidades ,por mérito a nível de toda a classe ou por que lhe dao na cabeça e vao fazer a especialidade?Os enf q aqui chegam á Inglaterra têm criar competência especifica pa trabalhar em qualquer serviço,especialistas ou não.pois sabem q chegaram . a entrar candidatos com notas negativas e só as competências comprovadas qualificam serviços
  • Sara
    25 ago, 2017 lisboa 23:44
    srs enfermeiros para ganharem estes valores,para pouco fazerem e ainda dormirem no vosso turno é vergonhoso.so fazem estas greves porque esto no estado porque se trabalhassem no privado e ainda a ganhar menos estavam bem caladinhos.voces sao os espelho de toda a corga dos funcionarios publicos.entram por cunhas.sindicatos patrocinados por partidos depois sao os coitadinhos os precarios.sempre a pedir mais e mais .vao se embora se nao estao satisfeitos.trabalhem!
  • Vasco
    25 ago, 2017 Coimbra 19:51
    Sou Enfermeiro, especializado, com vencimento base ilíquido de 1200€, com 15 anos de exercício. Já fui delegado sindical e não me revejo nestes pedidos estratosfericos dos sindicatos. Acho que para dignificar a profissão perante a opinião pública devemos negociar objectivos realistas e igualarmo-nos com os restantes técnicos superiores de saúde (psicólogos, fisioterapeutas, farmacêuticos, terapeutas). Acho que os subsídios de turno deveriam ser iguais para todos e não em função do ordenado base, "as horas incómodas" são-no de igual modo para qualquer profissão. Acho que deveria ser "compensada" a exclusividade ao serviço público, de forma a não termos os colegas sobrecarregados de tantas acumulações. Acho lamentável, que noutras negociações de carreira na saúde, tenha sido dada oportunidade de acréscimo de vencimento em conjunto com o aumento de horário. Os serviços estão sobrecarregamos, há excedentes de horas acumuladas e estou perfeitamente convencido que alguns colegas não teriam oposição a trabalhar mais horas desde que remunerados para tal. As lutas sindicais são importantes e não se resumem apenas a lutas de vencimento mas também a descongelamento de carreiras, de forma a manter a motivação profissional. Melhores cumprimentos a todos,
  • leonel
    25 ago, 2017 lisboa 19:20
    A greve do psd. Patrocinada pela bastonária, dirigente do psd. Grandes amigos dos trabalhadores... E qual greve? Quanto descontam ao fim do mês? Nada! Greve de zelo não existe. E desde quando é que a ordem decreta greves, quando essa competência é dos sindicatos? Querem ganhar mais que os médicos? Tenham juízo. Começaram bem, mas como todos os oportunistas resvalaram para a falta de vergonha!
  • Fausto
    25 ago, 2017 Lisboa 19:13
    Vai lá vai...eu até concordo...os enfermeiros valem 2400 € por mês...é que ganha o ordenado mínimo vale pelo menos 1500...pensem um bocado...500 euros por mês só chega para comida bebida e dormida...exactamente o mesmo que davam antigamente aos escravos...
  • Carlos
    25 ago, 2017 Aveiro 18:51
    Quando o Estado paga 5 500,00 euros por cada reunião ao Presidente da comissão de remunerações da CGD, de que está à espera para pagar aos enfermeiros o que eles merecem?
  • victor
    25 ago, 2017 lx 18:11
    Estes aumentos,a serem concretizados,implicam a reformulação das remunerações de todo o restante pessoal da Saúde,a saber,médicos,farmacêuticos e auxiliares...(2000€ de entrada para um enfermeiro, quanto terá de pagar aos médicos e farmacêuticos Sr.Ministro?
  • António
    25 ago, 2017 18:06
    Com esta atitude os enfermeiro(a)s querem por o serviço nacional de saúde a pedir para eles. É autentica apropriação do orçamento remuneratório da saúde a favor destes funcionários ditos de enfermeiros. Vergonhosa proposta.
  • sapo
    25 ago, 2017 lisboa 17:46
    Se querem ganhar esses valores podem ir lá para fora. Mas anda tudo maluco com este tipo de aumentos. Muitos nem deviam receber isso, existem enfermeiros no Hospital de Santa Marta em Lisboa que ao pedido do doente em desligar a TV pelas 23 horas lhes responde que não tem tempo. Vão-se lixar.