O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Concerto "Juntos por Todos" angariou mais de um milhão de euros

27 jun, 2017 - 23:55

Marcelo Rebelo de Sousa elogia onda de solidariedade. Concerto, que juntou 25 artistas, foi transmitido por todas as estações de rádio e pelas três televisões generalistas.
A+ / A-

O concerto "Juntos por Todos", que decorreu terça-feira em solidariedade com as vítimas dos incêndios, angariou 1 milhão e 153 mil euros, revertendo a favor da União de Misericórdias Portuguesas para reforçar o apoio às populações afectadas.

Ao longo de toda a noite desta terça-feira, 25 artistas portugueses subiram ao palco do Meo Arena, em Lisboa, para um concerto solidário com lotação esgotada, 14 mil pessoas.

Na plateia marcaram presença figuras como o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa; o Presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues; ou o ministro da Cultura, Luís Castro Mendes.

Após os DJ 'Beatbombers', que abriram a cerimónia, AGIR foi o primeiro dos 25 artistas a subir ao palco. Seguiram-se Amor Electro, Ana Moura, Aurea, Camané, Carlos do Carmo, Carminho, D.A.M.A, David Fonseca, Diogo Piçarra, Gisela João, Hélder Moutinho, João Gil, Jorge Palma, Luísa Sobral, Luís Represas, Matias Damásio, Miguel Araújo, Paulo Gonzo, Pedro Abrunhosa, Raquel Tavares, Rita Redshoes, Rui Veloso, Salvador Sobral e Sérgio Godinho.

#juntosportodos. Os primeiros acordes em noite de solidariedade

No final do concerto, que foi transmitido pela Renascença e por todas as rádios, bem como pelas televisões generalistas portuguesas, foi anunciado que os donativos tinham totalizado 1 milhão e 153 mil euros para ajudar as populações afectadas pelo incêndio que deflagrou no passado dia 17 no concelho de Pedrógão Grande, no centro do país.

Num dos intervalos da iniciativa, Marcelo Rebelo de Sousa - que foi muito requisitado pelos presentes para as já habitais 'selfies' - realçou aos jornalistas que Portugal é "uma grande Nação, uma Nação muito unida, muito solidária e muito antiga".

"Quer dizer que já passou por muita coisa ao longo de nove séculos. Perda de independência, crises, guerras, catástrofes e ultrapassou sempre, deu sempre a volta por cima", recordou.

O chefe de Estado enalteceu que a Nação também agora "foi capaz de se unir e de ser solidária" com as populações afectadas pelos incêndios que deflagraram na região Centro, há mais de uma semana, e provocaram 64 mortos e mais de 200 feridos.

Mais de dois mil operacionais estiveram envolvidos no combate às chamas, que consumiram 53 mil hectares de floresta, o equivalente a cerca de 75 mil campos de futebol.

A área destruída por estes incêndios - iniciados em Pedrógão Grande, no distrito de Leira, e em Góis, no distrito de Coimbra - corresponde a praticamente um terço da área ardida em Portugal em 2016, que totalizou 154.944 hectares, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna divulgado pelo Governo em Março.

[notícia actualizada às 01h42]


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • E OS Polticos Senhor
    01 ago, 2017 sul 09:06
    Só fizeram blá, blá, blá
  • Maria Manuela Nunes
    28 jun, 2017 Queluz 10:18
    É grande a solidariedade dos portugueses! Falta agora descobrir e punir os culpados desta tragédia. Que ninguém fique impune. Que a culpa não fique mais uma vez sem dono!
  • Miguel Botelho
    28 jun, 2017 Lisboa 08:25
    Resta saber para onde vão os milhares de euros. Para as vítimas de Pedrógão Grande? Ou será que grande parte deste dinheiro é para dar àqueles que organizaram o concerto, sendo que a maior parte da fatia acaba sempre nos bolsos de poucos. A minha conclusão é igual ao que Bob Geldoff fez com o «Live Aid». Não se deve usar o sofrimento das pessoas para fazer concertos musicais e eventos desta natureza. Se o menino «betinho» e «estragadinho» Salvador Sobral quer cantar pelas vítimas de Pedrógão que faça uma viagem até esse lugar de Portugal e cante para essas pessoas. Duvido que o ouvissem.
  • maria
    28 jun, 2017 Lx 06:47
    Foi linda a festa, pá!...a minha pergunta é: aquele crápula que inventou suicídios com fins partidários de curto prazo, e que " é dono" da Santa Casa local, vai gerir verbas destas?, talvez a maior fatia?, já tem garantia de campanha eleitoral paga. Rigor, pede-se, e fiscalização também.
  • FR
    28 jun, 2017 Portugal 01:15
    Problema: Quero transferir este dinheiro, mas se o fizer vai dar cana! Para fazer lavagem de dinheiro preciso de uma boa desculpa! Incêndios e mortos!! ...Será??? Senão vejamos, é bancos a doar, é iniciativas, é tal e quê, as doações já devem ir nos milhões...mas não vi nenhuma notícia dos afetados a receberem as ajudas, os milhões foram para onde?...Só vejo publicidade aos que supostamente ajudaram, nada mais. Só vejo marketing, ao MEO, Banco santander acho eu, pessoal do futebol...Dar dinheiro? A mim nunca deram nada.