O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Emprego no Norte com "crescimento histórico" no iníco de 2017

20 jun, 2017 - 16:07

Relatório da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte indica que o emprego na região no primeiro trimestre de 2017 aumentou 4,2% em termos homólogos.
A+ / A-

O emprego na região Norte atingiu um “crescimento histórico” no primeiro trimestre de 2017, aumentando 4,2% em termos homólogos, com mais cerca de 65 mil pessoas empregadas, conclui o relatório Norte Conjuntura divulgado esta terça-feira.

“A população empregada da Região do Norte observou, no 1º trimestre de 2017, o mais acentuado crescimento de que há registo (ou seja: desde há pelo menos 18 anos), aumentando 4,2% em termos homólogos, impulsionada sobretudo pelos serviços. A taxa de desemprego voltou a diminuir, para 10,9%”, indica o relatório trimestral que identifica as tendências que marcam a evolução económica, a curto prazo, no território e a que a Lusa teve acesso.

Elaborado pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), o documento destaca que, nos primeiros três meses de 2017, a região assistiu “à aceleração do crescimento do emprego, das exportações e de alguns dos principais indicadores disponíveis relacionados com o consumo e com o investimento, bem como à subida da taxa de inflação e à continuada diminuição do crédito às empresas”.

Segundo a CCDR-N, a subida verificada no emprego “foi sobretudo impulsionada pelo ramo de atividade dos transportes e armazenagem, com mais cerca de 16 mil pessoas empregadas do que um ano antes, e pelas atividades de consultoria, científicas, técnicas e similares, com mais cerca de 14 mil empregados”.

“Em termos homólogos, o crescimento do emprego na região do Norte no 1º trimestre de 2017 explica-se sobretudo pelo aumento do número de trabalhadores empregados por conta de outrem (mais 54 mil pessoas do que um ano antes, para uma variação homóloga de 4,2%)”, indica o relatório, acrescentando que este crescimento “foi particularmente acentuado entre os homens”.

Ainda no arranque do ano, “o número de ativos a descontar para a Segurança Social residentes na região do Norte conheceu um aumento de 3,4% face ao período homólogo do ano passado”, tendo a Área Metropolitana do Porto assegurado “um contributo que, por si só, explica quase metade do crescimento observado em toda a região”.

Por contraponto, o desemprego registado atingiu no 1º trimestre de 2017 um valor próximo de 201 mil indivíduos (cerca de -35 mil, ou -14,9%, do que no trimestre homólogo do ano passado), com a Área Metropolitana do Porto a ser “responsável por cerca de metade desta diminuição em termos homólogos do desemprego registado na Região do Norte”, realça.

Ainda ao nível do mercado de trabalho, no início do ano “o salário médio mensal líquido dos trabalhadores por conta de outrem da Região do Norte cifrou-se em 792 euros [contra 846 euros a nível nacional] e observou, em termos homólogos, um crescimento real de 2,1% (tendo a variação nominal sido de 3,7%)”.

A Região do Norte conheceu, ainda, uma subida da taxa de inflação e uma continuada diminuição do crédito às empresas.

“Já nas exportações, é de sublinhar que a aceleração do crescimento foi particularmente sentida nas vendas para fora da União Europeia, cuja variação homóloga passou de 3,9 por cento no trimestre anterior para 24,5 por cento no 1º trimestre de 2017”, salienta a CCDR-N.

Lançado em 2006, o Norte Conjuntura é publicado trimestralmente e inclui uma análise detalhada de outras variáveis macroeconómicas relativas ao consumo privado e ao investimento, à indústria e ao turismo, aos preços no consumidor e ao crédito e, ainda, à aplicação dos fundos da União Europeia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • é isto
    22 jun, 2017 lx 13:15
    que faz azia aos pafosos!...e à respectiva "liderança"!