O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

​Pedrógão Grande. Incêndio já consumiu quase 26 mil hectares

19 jun, 2017 - 19:11

Fogo ainda lavra, mas já ultrapassou o maior registado em 2016, que deflagrou em Arouca, distrito de Aveiro.
A+ / A-

Em directo: Toda a informação sobre Pedrógão Grande e outros incêndios


O incêndio florestal que deflagrou no sábado no concelho de Pedrógão Grande já consumiu quase 26 mil hectares de floresta, indica o Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais (EFFIS).

O EFFIS, do Centro de Investigação Comum da Comissão Europeia, que apresenta as áreas ardidas cartografadas em imagens de satélite, mostra que o incêndio que começou em Escalos Fundeiros, em Pedrógão Grande, e alastrou depois aos concelhos vizinhos de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria, tinha até esta segunda-feira 25.969 hectares de área ardida.

Em 2016, o incêndio que começou em Arouca, no distrito de Aveiro, e evoluiu para o concelho de S. Pedro do Sul, em Viseu, consumiu 21.910 hectares e foi aquele que registou a maior área ardida no ano passado, segundo dados do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

O último balanço do fogo que começou no concelho de Pedrógão Grande dá conta de 63 mortos civis e 135 feridos.

Há ainda dezenas de deslocados, estando por calcular o número de casas e viaturas destruídas.

Este incêndio alastrou também para os distritos vizinhos de Castelo Branco, pelo concelho da Sertã, e Coimbra, pelo município de Pampilhosa da Serra.

Segundo o EFFIS, que através de imagens de satélite contabiliza quase em tempo real a área ardida, o fogo no concelho da Pampilhosa da Serra consumiu 7.310 hectares, enquanto o incêndio da Sertã tem 481 hectares de área ardida.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • bea
    21 jun, 2017 sba 12:15
    Floresta(?) mata desordenada, falta de limpeza, mais que não seja ao pé das casas. Ainda agora nas noticias das 8 h se via uma aldeia rodeada de erva alta e em vez de se andar com maquinas a cortar a erva, não, é só agua, . O que ouvimos hoje , foi o mesmo que ouvimos em outros tantos anos passados e em outros cenários mas sempre sem culpados e sem alterar alguma coisa. Infelizmente este ano, ainda só hoje começou o verão e a situação não poderia ser pior, mas porque não começar a limpeza das bermas das estradas e em redor das casas em todo o País ?
  • Mario
    20 jun, 2017 Portugal 13:33
    E falam de impactos ambientais, deviam era ter vergonha na cara.