A+ / A-

“Anda para aí um mercado religioso que não percebe Fátima”

13 jun, 2017 - 12:17 • Henrique Cunha

Um mês depois da visita do Papa Francisco a Fátima, o teólogo José Carlos Carvalho faz um balanço do que ficou.
A+ / A-
"Uma bênção sem conta, de Portugal para o mundo". As 24 horas do Papa em Fátima
"Uma bênção sem conta, de Portugal para o mundo". As 24 horas do Papa em Fátima

Há um mês o Papa Francisco estava em Portugal para presidir ao início do centenário das aparições de Fátima. Para José Carlos Carvalho, professor da Faculdade de Teologia Universidade Católica do Porto, a linguagem simples e acessível de Francisco tem como objectivo apelar à mudança e lembrar a importância da cultura do encontro com um Deus misericordioso.

Um mês passado sobre a visita de Francisco, que mensagem ficou?

Todos obtiveram algumas frases fortes do Papa, sobretudo duas. Aquela “nós temos mãe”, que é muito típica do Papa Francisco, da sua maneira muito incisiva, com a sua experiência de pastor, de encontrar uma linguagem muito próxima. E depois aquele desafio à Igreja, a espelhar a misericórdia que encontramos na mensagem de Fátima e na expressão que ele utilizou, muito feliz, de ser pobre de meios, mas rico de ternura, acolhimento e compaixão.

Que aula sobre Maria deixou Francisco, que imagem quis ele deixar de Maria? Uma Senhora muito próxima dos homens, que os encaminha para o seu filho?

Sim, eu penso que foi essa a imagem e tentou também corrigir alguma piedade popular, [pedindo] para que não reduzamos Maria a um ídolo. E olha para Maria, não apenas aquela que muitas vezes é endeusada e que é colocada no céu afastada, mas exactamente o inverso, aquela que é intercessora, que é mãe e que, por ser mãe, acompanha os seus filhos e filhas no meio do mundo e no meio da história. Penso que foi essa a imagem. E ele como peregrino veio colocar-se também nessa relação.

Papa. "Maria não veio a Fátima para que a víssemos, mas para avisar sobre o inferno que é a vida sem Deus"
Papa. "Maria não veio a Fátima para que a víssemos, mas para avisar sobre o inferno que é a vida sem Deus"

Disse que também insistiu na ideia da misericórdia de Deus. Mesmo na sua homilia do dia 13 ele insistiu nesta tecla.

Sim, mas também não deixou de referir que a misericórdia de Deus, para não correr o risco de ser uma misericórdia barata, não é só meramente uma oferta sem consequências. Porque anda para aí um mercado religioso que não percebe Fátima e que não compreende que, em Fátima, aquele manto de luz, outra expressão feliz do Papa, é um manto que nos espelha e que nos confronta. Por isso, ele não deixou de recordar que se Deus é misericordioso é porque precisamos de misericórdia.

Na semana passada, o Papa agradeceu a forma como a Igreja portuguesa está a viver o centenário das aparições e manifestou-se comovido com a solidez da fé dos portugueses. Provavelmente, um mês é pouco tempo para se poder fazer um balanço da forma como a Igreja portuguesa está a acolher a mensagem que o Papa trouxe em Maio.

Sim, é muito difícil fazer o balanço destes acontecimentos, destas experiências. Penso que cada um é que acabará por fazer o seu percurso. Claro que fica a memória de quem está mais perto do Santuário, quem vive mais perto a mensagem de Fátima, não [pode] deixar de recordar estas frases fortes, mas as consequências de uma visita destas não são materializáveis. Aquilo que é importante na vida não se mede, como dizia o António Vargote.

O Papa esteve em Fátima como peregrino. Que imagem quis Francisco deixar do que é ser peregrino no dia de hoje?

É fazer um percurso primeiro interior. A peregrinação espiritual é um caminho interior, não é um turismo religioso. Não veio cá como chefe da Igreja, veio como um irmão e foi muito bonito: pela primeira vez, vi um Papa com o lenço a despedir-se da Mãe, como toda a gente. E é muito o estilo de um Papa que durante toda a vida foi pastor e que veio partilhar a experiência de qualquer baptizado, qualquer cristão, de que a peregrinação é uma peregrinação interior. É uma luta connosco mesmos e é um percurso de ensimesmamento com o amor de Deus. Irmos ao encontro do amor de Deus. Para isso, precisamos de lugares, precisamos de tempos, precisamos destas experiências, de fazermos essa experiência em comum com milhares e milhares de peregrinos, de sabermos que não estamos isolados neste processo, que a peregrinação espiritual não é apenas uma relação intimista – individualista como agora é moda na cultura contemporânea, muito marcada pelo “self” – e que, por causa disso, depois se esquece do mundo e dos irmãos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António
    13 jun, 2017 Lourinhã 20:51
    Alguns comentários que o Papa fez no avião de regresso a Roma, foram estranhamente omitidos pela media bem pensante cá do burgo : a uma pergunta de um jornalista italiano, o Papa deu a entender que o catolicismo dos portugueses seria um pouco interesseiro ou superficial, pois tão depressa estão em Fátima a rezar e a pedir favores a Nossa Senhora, com simultâneamente têm uma lei do aborto das mais liberais do mundo, leis que permitem o casamento e adopção entre pessoas do mesmo sexo e uma lei sobre a eutanásia que está preparada para sair. Isto num pais que se diz católico ! A igreja portuguesa também terá sido visada embora duma forma diplomática, por pouco ter falado ou protestado sobre isto, como é infelizmente seu hábito. Ou seja o Papa quis dizer indirectamente que não se pode estar bem com Deus e com o diabo e que ser Cristão verdadeiro custa muito e dá trabalho e exige opções claras e não o tipico nim , sim mas também etc.