O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

​Marcelo agradece “missão ingrata” do representante da República nos Açores

02 jun, 2017 - 22:35 • Susana Madureira Martins

O Presidente da República defende uma figura institucional que, ao longo dos anos os partidos políticos têm defendido que acabe.
A+ / A-

À frente do próprio Pedro Catarino, reconduzido há cerca de um ano no cargo de Representante da República nos Açores, Marcelo Rebelo de Sousa agradeceu e elogiou o trabalho daquele referindo que “ nós sabemos como hoje é cada vez mais ingrata a missão do exercício e desempenho de funções políticas e públicas”.

O Presidente da República defendeu que “é mais ingrato porque aumenta felizmente o escrutínio, a participação, a intensidade do controlo democrático”, acrescentando que “é mais ingrato porque o interesse público a prosseguir é mais complexo”

Marcelo Rebelo de Sousa, falando ao ar livre no pátio do Solar de Madre Deus, a sede do gabinete do Representante da República na região dos Açores, disse ainda que “também por isso cumprimento vossa excelência pela disponibilidade permanente para o serviço da causa pública”.

Neste discurso antes de um jantar privado de que Pedro Catarino é o anfitrião, Marcelo disse ainda que “há naturalmente missões que pela complexidade específica justificam o agradecimento redobrado”.

A extinção do cargo de Representante da República na região dos Açores tem sido defendida por todos os partidos com assento na Assembleia Legislativa regional, e o argumento que tem sido mais usado para essa defesa é que esta figura não tem a legitimidade do voto para fiscalizar leis e pedir a sua constitucionalidade, já que é uma figura nomeada pelo Presidente da República.

Fontes regionais garantem à Renascença que não está em causa o homem, ou seja, Pedro Catarino, mas o próprio cargo. Isto tudo numa altura em que foi criada na Assembleia Legislativa regional dos Açores uma comissão eventual que irá produzir um relatório para arrancar com a reforma da autonomia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • otário cá da quinta
    03 jun, 2017 coimbra 20:11
    Se não fosse o dinheirinho ao fim do mês e outras benesses, UI !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!1