O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Jerónimo insiste na luta contra “política de direita"

19 mai, 2017 - 22:53

Líder comunista lembra que "cada décima [do défice] são menos 200 milhões de euros" nos serviços públicos.
A+ / A-

O secretário-geral do PCP garante que os comunistas vão continuar a lutar por mais direitos e rendimentos para trabalhadores e população na discussão do Orçamento do Estado para 2018 contra a "política de direita".

Jerónimo de Sousa desvalorizou "o maior ou menor optimismo" do primeiro-ministro ou do Presidente da República, classificando o Governo socialista de ser "quase mais papista que o Papa" no que toca ao défice, em que "cada décima são menos 200 milhões de euros" nos serviços públicos, num comício autárquico da Coligação Democrática Unitária (CDU), que junta comunistas, "Os Verdes", Intervenção Democrática e independentes, em Queluz, Sintra.

"No processo de elaboração e debate do próximo OE, lá estaremos, mas também com a nossa iniciativa legislativa no quadro das nossas atribuições na Assembleia da República, prontos a prosseguir a nossa luta para resolver os problemas do país e continuar a garantir com a nossa iniciativa e proposta o prosseguimento do caminho da reposição de rendimentos e direitos, e da elevação das condições de vida do povo", afirmou.

O líder comunista prometeu "propostas de política fiscal, de eliminação de cortes e restrições de direitos", mas também "valorização plena das pensões de reforma, investimento público e reforço de meios financeiros humanos e técnicos necessários ao bom funcionamento dos serviços públicos e aumento da qualidade da resposta à efectivação dos direitos à saúde, à educação e à cultura dos portugueses".

"O PCP não transigirá perante a política de direita, tal como não contribuirá para instalar ambientes de apatia e conformismo que limitem o papel insubstituível da luta dos trabalhadores e do povo", vincou, numa semana em que se realizou uma primeira reunião formal e exploratória com vista ao OE 2018, quarta-feira, entre responsáveis do PCP e António Costa, na residência oficial do chefe do Governo socialista, em São Bento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ac
    21 mai, 2017 lx 12:24
    Quem vota no PCP antes de votar pense onde existe um país comunista próspero, livre, sem polícia política com partidos e democracia parlamentar? Os comunistas portugueses ainda vivem no século XIX
  • José Gomes L
    21 mai, 2017 Lisboa 11:30
    O jerónimo prefere uma ditadura stalinista, até já disse em direto na TV, que se o pcp ganhasse as eleições nunca mais haveria eleições em Portugal
  • Carlos Costa
    20 mai, 2017 Santarem 22:51
    Ó Ti Jerónimo ainda não estás cansado de engolir tantos sapos!!!!!
  • isidoro foito
    20 mai, 2017 elvas 17:03
    Este leninista nunca mais se reforma , cala-te velho, vê lá mas é se pagas os impostos na festa do avante como todos os outros cidadãos
  • PAULO
    20 mai, 2017 LISBOA 13:13
    ó jeronimo dás apoio as politicas de direita?
  • Emanoel Oliveira
    20 mai, 2017 Porto 01:54
    A Política der esquerda de Maduro é melhor....