O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

​A A1 cresceu em Vila Nova de Gaia e desapareceu um “muro”

19 mai, 2017 - 15:40

Primeiro-ministro inaugurou sublanço da A1 Carvalhos-Santo Ovídeo. Uma obra de 29,8 milhões que “muda o paradigma da mobilidade” em Gaia.
A+ / A-

O alargamento do sublanço da auto-estrada A1 Carvalhos-Santo Ovídeo, em Vila Nova de Gaia, que custou 29,8 milhões de euros, foi formalmente inaugurado esta sexta-feira, abolindo um "muro" dentro do concelho e melhorando o acesso ao Porto.

O primeiro-ministro, António Costa, e o presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, inauguraram esta obra, um alargamento daquele lanço de auto-estrada de 2x2 para 3x3 vias que visa responder, segundo informação da concessionária Brisa, ao crescimento do tráfego no acesso ao Porto através da Ponte da Arrábida.

"Esta é uma obra que muda o paradigma da mobilidade em Vila Nova de Gaia. Transforma aquilo que era uma barreira na vida de um concelho numa oportunidade de maior coesão territorial. E ao tornar Gaia mais acessível no quadro da Área Metropolitana e no quadro do país, torna o território mais atractivo como plataforma de desenvolvimento social e desenvolvimento económico", disse o primeiro-ministro António Costa que presidiu à inauguração da empreitada.

Já o presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, frisou que este alargamento "não é apenas mais uma obra de betão", considerando a requalificação "estruturante" da A1 como o fim de um "muro".

"A A1 significa para Vila Nova de Gaia, historicamente, uma fronteira entre a malha urbana e o resto do concelho", disse o autarca.

A Câmara de Gaia aproveitou para, paralelamente mas integrada no mesmo projecto, criar novas acessibilidades nomeadamente aos Carvalhos, criando uma derivação que permite acesso ao centro, mas também ao quartel dos bombeiros locais, e uma rotunda em continuidade com a de Santo Ovídio, a qual se chamará rotunda do Atlântico.

Eduardo Vítor Rodrigues adiantou que a nova rotunda é o ponto de partida da Avenida do Atlântico que já tem construído cerca de um quilómetro na zona Madalena, sendo desejo da câmara que esta artéria seja "o grande nó viário de ligação à zona das praias, retirando o trânsito do miolo das freguesias".

"É um investimento que fazemos convictos que é o grande desatar de nó quer nos Carvalhos, quer em Santo Ovídio", disse à agência Lusa Eduardo Vítor Rodrigues, revelando que a autarquia gastou mais de um milhão de euros.

Por fim, informação distribuída pela Brisa aos jornalistas dá conta de que esta concessionária investiu nos últimos dez anos 166 milhões de euros no Grande Porto, 146 milhões em alargamento do número de vias, nove milhões em beneficiação de pavimentos, seis em equipamentos e cinco em protecção ambiental.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Alcides costa
    20 mai, 2017 Lourosa 11:05
    Quando vi as obras comecarem dado que eu fazia aquele trajecto muitas vezes pensei ca para mim que nao havia necessidade uma vez que ha outras prioridades no concelho de gaia tal como as ruas de todas as freguesias que estao com paralelos e todos tortos dado a colocacao de tubagens de agua e saneamento sem passeios e nestas ruas nao se consegue andar a pe dado o estado dos paralelos e ate de carro estraga se a suspensao e no concelho de santa maria da feira e noutros nao existem ruas nem estradas em paralelos esta tudo asfaltado e com passeios para os peoes circularem em seguranca enfim se eu vive se em gaia na altura das eleicoes eu nao votava enquanto nao arranjassem as ruas
  • José
    20 mai, 2017 Porto 10:43
    ... Esqueceram-se do muro entre Sto. Ovídeo e Coimbrões. Continua em 2x2...
  • Jacs
    19 mai, 2017 Valadares 23:57
    Gaia têm uma doença cronica , gente estupida vota em em oportunistas e incapazes . eu devia Votar em Gaia mas infelizmente não vejo ninguém que mereça a minha deslocação , vai em branco.
  • Vítor
    19 mai, 2017 Vila nova de Gaia 22:18
    Ainda bem que as eleições estão a porta aceitasse candidatos para fazer melhor
  • Inês Velhote Correia
    19 mai, 2017 Vila Nova de Gaia 21:47
    Que grande treta. Sou de Gaia e trabalho no Porto, atravesso todos os dias a ponte da Arrábida e o transito está exatamente na mesma!!! Mais uma via até Santo Ovídeo não alterou nada para quem tem de atravessar a Arrábida. Mais valia terem investido os 30 milhões na Saude ou na Educação!!!!!! Pelo amor de Deus! Com médicos e enfermeiros em greve, pessoas com reformas miseráveis, carreiras congeladas... Enfim. É triste.
  • Antonio Ferreira
    19 mai, 2017 Porto 17:57
    Estes autarcas......decididamente têm pouca coisa para fazer. Talvez por isso, nunca estejam no serviço a tratar dos assuntos do Concelho. Uma pequena obra que pouco ou quase nada vem resolver, em termos de trânsito, chama-se o Primeiro-Ministro para a inauguração e não sei quantos mais. E ainda falam do tempo do Salazar ? Nesse tempo é que se faziam inaugurações por tudo e por nada, pelos vistos nada mudou, nesse aspecto. Eu gostava é que se preocupassem com a quantidade de problemas que há no Concelho. Gostava de saber porque voltaram os piolhos às Escolas. Porque voltaram as doenças infantis, cada vez em maior número, às Escolas, que obrigam as crianças a ficar em casa, constantemente, doentes. Gostava de saber porque continuamos a permitir a violência no desporto, nomeadamente na freguesia de Canelas, Vila Nova de Gaia. Não ouvi nenhum comentário do Presidente da Câmara de Gaia, sobre a violência no desporto, no seu Concelho, que é notícia em jornais de vários pontos do mundo. Mas eu compreendo ! Estamos perto das eleições para as Autarquias e, é necessário mostrar o que tem alguma visibilidade, mesmo que não sejam de grande importância, para as pessoas.
  • D Pinho
    19 mai, 2017 Gaia 17:46
    Não mudou absolutamente nada! As filas continuam!
  • Os malidecentes
    19 mai, 2017 Lx 17:38
    Aparecem sempre a comentar e a dizer mal de tudo mesmo que não percebam nada de nada!
  • Nuno
    19 mai, 2017 V.N.Gaia 17:15
    Tem toda a razão Sr. M.Teixeira.. como eles dizem deixou de ser um muro e passou a ser um funil.Quanto a mim o único beneficiário foram os bombeiros que bem precisavam, de resto na minha opinião não seria necessária,há outras obras muito mais necessárias que são mandadas para as calendas,quanto a mim esta obra foi executada para defenderem outros interesses.
  • Marquês de Púbol
    19 mai, 2017 Aveiro 16:29
    "Esta é uma obra que muda o paradigma da mobilidade em Vila Nova de Gaia.", disse o Primeiro-Ministro! Então e quando é se se muda o paradigma de uma data de Concelhos vergonhosamente servidos por uma estrada chamada IP3? É tão bonito falar do interior, da regionalização, blá, blá, blá...