O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

EUA prometem mais apoio ao Afeganistão

16 abr, 2017 - 20:21

Assessor de Trump visitou de surpresa o país. A “mãe de todas as bombas” fez pelo menos 95 mortos.
A+ / A-

O assessor de Segurança Nacional do Presidente norte-americano Donald Trump, H.R. McMaster, chegou de surpresa ao Afeganistão para prometer mais apoio e colaboração a Cabul, apenas três dias depois do lançamento da mais potente bomba não nuclear.

H.R. McMaster reuniu-se com o Presidente afegão, Ashraf Gani, num dia em que o governo do país elevou para pelo menos 95 o número de mortos no ataque de quinta-feira a um complexo subterrâneo do grupo extremista Estado Islâmico, na província oriental de Nangarhar, com o lançamento de uma bomba GBU-43, uma das mais potentes do arsenal não nuclear norte-americano.

Numa entrevista concedida durante a visita, citada pela agência EFE, o militar defendeu a importância de se derrotar o Estado Islâmico. "Não podemos tolerar a existência deste tipo de organização. Eles são uma ameaça para toda a gente civilizada (...) devem ser derrotados", disse.

Em relação aos talibãs, H.R. McMaster assegurou que os que optem por aceitar o diálogo oferecido pelo governo podem "ser parte de uma mudança política" no Afeganistão ou "ser derrotados no campo de batalha", no caso de não desejarem encontrar uma "solução pacífica" para o conflito.

O militar não revelou detalhes sobre a futura estratégia dos Estados Unidos em relação ao Afeganistão, nem se serão enviadas mais tropas para aquele país.

"O decurso do futuro não depende só do que tu decidas fazer e, às vezes, a reacção do teu inimigo é difícil de prever", afirmou.

Num comunicado divulgado depois das reuniões de H.R. McMaster com Ashraf Gani e com o chefe do governo, Abdulá Abdulá, a embaixada norte-americana indicou que, nelas, o representante da administração Trump "comprometeu-se com um apoio forte e continuado dos Estados Unidos ao Afeganistão".

O militar elogiou os esforços do governo afegão nas reformas económicas, políticas e de segurança e incentivou a aceleração dos trabalhos para fortalecer o desempenho do Governo no Afeganistão.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    17 abr, 2017 Cacém 08:51
    "Não podemos tolerar a existência deste tipo de organização..." pois, mas as ideias que defendem continuam a ser ensinadas e pregadas nas Mesquitas. O dinheiro, o treino e as armas continuam a chegar a estes tipos de organizações. O fato de serem os "maiores aliados" dos EUA a produzir "Estados Islâmicos" nem é o mais grave. O mais grave é a classe politica europeia Defender as populações que são a Base de Apoio, as populações que fornecem os "terroristas" que se fazem explodir em mercados e em templos religiosos! Veja-se a posição cobarde e porca do PS e PSD aos bombardeamentos russos em Khan Sheikhoun ou às manifestações em Londres de apoio aos terroristas da ex-Frente al-Nusra, aquando dos bombardeamentos em Alepo. Os massacres provocados recentemente em Igrejas no Egipto ou na destruição à bomba de autocarros correm perante a indiferença total! Nestes ataques, com centenas de vitimas, as "crianças bonitas" não existem?