|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Óbitos

A+ / A-

​Bispo das Forças Armadas olha com receio para ataque dos EUA na Síria

07 abr, 2017 - 17:35 • Ângela Roque

D. Manuel Linda diz que o conflito só se resolve com uma intervenção militar, desde que mandatada pela ONU. Mas olha com muitas dúvidas para o ataque lançado pelos Estados Unidos.

A+ / A-
Trump. "Juntem-se a nós para pôr fim ao banho de sangue na Síria"
Trump. "Juntem-se a nós para pôr fim ao banho de sangue na Síria"

O bispo das Forças Armadas e de Segurança acompanha “com muita preocupação” a escalada de violência na Síria.

À Renascença, D. Manuel Linda começa por dizer que não é “analista militar”, mas, do que observa e segue do conflito, conclui que nem tudo é transparente.

Há muitos interesses em jogo entre os que combatem dentro da Síria e os que de fora dizem que querem ajudar, aponta. “Tenho medo que não seja o ataque com armas químicas que esteja agora no centro da questão, embora se diga que sim, mas uma ‘luta de galos’, desculpem a expressão. Ao fim ao cabo, também a Turquia não é tão inocente no caso como isso, a Rússia e os Estados Unidos”.

E acrescenta: “Os Estados Unidos estão a ter menos relevo naquela guerra tão estúpida, como todas as guerras são. E o facto é que quem está a fazer a luta contra o Daesh [o autodenominado Estado Islâmico] é, na prática, a Rússia.

O bispo receia que esteja em curso “um jogo de influências, que aproveitando-se de um facto deplorável possa levar a outros, porventura, ainda mais deploráveis”.

Estados Unidos lançam ataque contra a Síria
Estados Unidos lançam ataque contra a Síria

D. Manuel Linda vê, por isso, com preocupação o ataque lançado pelos Estados Unidos, mesmo que tenha sido justificado como resposta ao uso de armas químicas. Não tem dúvidas que parar este conflito implica uma intervenção militar, mas deve ser mandatada pelas Nações Unidas.

“Este conflito, que é um conflito armado entre o regime e a oposição, a oposição e o regime, é aproveitado por outros para tentar alargar a sua influência, que é o caso do Daesh. Quanto mais deixarmos evoluir este conflito armado, mais civis inocentes sofrem, e portanto há que lhe pôr cobro. Claro que não é com um discurso ou com uma pena de ave que se consegue resolver aquele problema, é com a existência de um outro exército, que saiba minimizar as acções destes exércitos em conflito, e de alguma maneira impor-lhes uma determinada ordem, uma ordem constitucional”, afirma.

Mas não devia essa intervenção ser coordenada entre vários países, para ter mais força e mais legitimidade? Para D. Manuel Linda, isso teria de passar pelas Nações Unidas.

“É evidente que se esperava que fosse da ONU. Mas, a ONU hoje, nesta fase da sua história, embora a gente espere que o novo secretário-geral lhe dê outro impulso, está enfraquecida”, afirma.

Esta pode ser uma prova de fogo para António Guterres, mas o bispo confia que o responsável português conseguirá mudar as Nações Unidas, para melhor. “Não se lhe pode pedir mais do que pode fazer neste pouco tempo em que lá está, mas acredito que vai deixar a ONU de uma forma mais correspondente aos anseios da humanidade do que a encontrou agora.”

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    08 abr, 2017 Cacém 00:23
    Mara, o problema não esta nas armas. Um míssil, uma bomba, um camião ou uma "caneta" usada para desviar um avião. Qualquer coisa pode ser usada como "arma". É antes, uma guerra de vontades, vontade de ser Livre contra a Religião do "Submete-te e Obedece".
  • mara
    07 abr, 2017 Portugal 21:27
    Hoje uma criança de sete aninhos dizia: "estou com tanto medo duma guerra mundial," vamos rezar para que os homens parem com a guerra, fiquei impressionadíssima com a atitude desta criança, e mais pendei no sofrimento das crianças que esses monstros estão a matar, deviam destruir todas as fabricas e depósitos de armas...É horrendo o que estão a fazer, que Nossa Senhora nos dê a Paz.
  • 07 abr, 2017 18:51
    Caro senhor bispo então os Evangelhos falam-nos de intervenção militar para resolver os problemas?? Por lá diz-se Amai os vossos inimigos . senhor bispo duvido que alguma vez a batina lhe tenha servido mas agora certamente que você não cabe nela . entregue-a a quem possa usá-la !